Tira-dúvidas: o que pacientes com câncer precisam saber para se vacinar contra a covid
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Tira-dúvidas: o que pacientes com câncer precisam saber para se vacinar contra a covid

Adriana Moreira

13 de maio de 2021 | 07h00

Interrompemos a programação de posts baseados em experiências pessoais para um post que eu gostaria de escrever baseado em experiências pessoais, mas infelizmente não é (ainda): a vacina contra a covid-19 para pacientes com câncer.

Esta semana, o Estado de São Paulo iniciou, na quarta-feira (12), a vacinação de pessoas com comorbidades entre 55 e 59 anos. Nesta sexta (14) começam a ser contempladas também as que têm mais de 50 anos e, semana que vem (dia 21), as que estão acima dos 45. Pacientes com câncer – em tratamento ou que tenham terminado o tratamento há até seis meses – fazem parte desse grupo. Estou aqui com os dedos cruzados esperando que a minha faixa etária (acima dos 40, é tudo que eu posso revelar) também seja contemplada em breve.

Estado de São Paulo ampliou a faixa etária de pacientes com comorbidades – o que inclui pacientes com câncer. Foto Valentyn Ogirenko/Reuters

Antes de mais nada: sim, pacientes com câncer podem (e devem) tomar a vacina contra a covid-19, desde que sejam liberados por seus médicos.

A notícia de que o Estado de São Paulo (onde vivo) vacinaria pessoas com comorbidades deixou minha caixa de mensagens tão cheia quanto minha paciência em relação a pessoas que não usam máscara na pandemia. Amigos de longa data ou nem tanto, parentes distantes e próximos, crushes e ex-crushes me procuraram com otimismo: “Você vai tomar vacina!”.

Vou, mas não agora. Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria da Saúde do Estado, outras faixas etárias com comorbidades serão contempladas conforme novas remessas de vacinas forem sendo disponibilizadas pelo Plano Nacional de Vacinação (PNI) do Ministério da Saúde. Mas não há um prazo definido.

Abraão Dornellas, médico oncologista do Hospital Israelita Albert Einstein, acredita que a divisão etária de vacinação para pacientes oncológicos “não faz sentido”. “Temos casos graves de câncer em pacientes muito jovens”, explica. “Queremos vacina para todos, mas esse grupo precisa da vacina com urgência.”

Para quem já foi contemplado na loteria da vacinação ou para quem ainda está na fila de espera (como eu), as dúvidas são muitas. Em busca de respostas objetivas, recorri à Secretaria da Saúde de São Paulo e ao dr. Dornellas, indicado pelo Instituto Vencer o Câncer. O guia rápido da Fundação do Câncer com questões sobre a covid também é uma boa fonte de informação.

Sua dúvida sobre vacina e covid não foi respondida abaixo? Mande pra mim no Twitter @adrikka que respondo por lá (e, depois, atualizo este post).

Pacientes com câncer podem tomar a vacina contra a covid-19?
“Nós temos recomendado para a grande maioria dos pacientes a utilização da vacina”, explica o médico oncologista Abraão Dornellas. “Estamos vacinando até pacientes internados.” Segundo ele, pacientes em tratamento de quimioterapia e imunoterapia têm um risco maior de ter complicações por covid-19 por causa do sistema imunológico já debilitado. “A vacinação para esse grupo é urgente e deve ser disponibilizada o quanto antes.” Ele explica que a Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC) vem fazendo petições frequentes junto a parlamentares para agilizar a vacinação para pacientes com câncer.

A prioridade dentro dos grupos com comorbidades definidos pelo PNI e a faixa etária que está sendo imunizada varia em cada Estado – verifique nas respectivas secretarias de saúde.

A recomendação para vacinação de pacientes com câncer é algo que surgiu em razão da covid-19 ou antes da pandemia outras vacinas já eram recomendadas?
“A gente sempre teve uma recomendação de vacinar pacientes com câncer”, diz Dornellas. No entanto,é preciso passar por uma análise de imunidade (algo rotineiro para pacientes com câncer) e ter liberação do médico. “A vacina da gripe, por exemplo, sempre foi recomendada para pacientes oncológicos”, explica.

Entre as vacinas contra a covid disponíveis para o público brasileiro, existe uma que seja mais recomendada ou menos recomendada para pacientes com câncer?
“As vacinas entre si têm algumas particularidades, mas todas são igualmente importantes”, afirma Dornellas. “As vacinas são seguras e estamos levantando a bandeira da vacinação. É muito triste perder um paciente para a covid depois de vencer tantas batalhas contra o câncer.”

Algumas vacinas contra covid podem dar reações. Para o paciente com câncer, há um risco maior?
Dornellas explica que ainda não há dados de pesquisa da vacinação específicos para pacientes oncológicos. No que foi observado até agora, contudo, ele diz que as reações às vacinas “parecem ser iguais no paciente oncológico e na população em geral.”

O paciente oncológico precisa de algum cuidado extra para se prevenir contra a covid?
“Sempre foi recomendada a lavagem de mãos, cuidados com alimentos, que devem ser bem lavados, alimentos que vão ao forno (para o paciente oncológico)”, explica Dornellas. São medidas básicas para minimizar os riscos de qualquer tipo de infecção no paciente com câncer. Com o coronavírus, o hábito das máscaras se intensificou não apenas para quem está com a imunidade comprometida, mas também para a população em geral. “As máscaras vieram para ficar.”

Quais documentos devem ser levados na hora de tomar a vacina contra a covid-19?
Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria da Saúde de São Paulo, é preciso levar exames que comprovem a comorbidade – no caso do paciente oncológico, pode ser o laudo médico ou a biópsia, por exemplo – e também uma declaração do médico liberando o paciente oncológico para ser vacinado.

PS: Depois da publicação deste post, a Prefeitura de São Paulo anunciou que pessoas com comorbidades acima dos 18 anos já podem se cadastrar para a “xepa” da vacina nos postos próximos de sua residência (ou seja, o que sobra de vacinas abertas no fim do dia). Taí uma boa oportunidade.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.