Bruno Kelly/Reuters
Bruno Kelly/Reuters

114 municípios de SP têm oxigênio para menos de uma semana, aponta conselho de secretários

Lista inclui cidades como Ribeirão Preto, Guarujá, Presidente Prudente e Santos; Estado de São Paulo bate recordes consecutivos de novas internações

Priscila Mengue, O Estado de S.Paulo

24 de março de 2021 | 10h38

Correções: 25/03/2021 | 16h18

Em meio ao agravamento da pandemia da covid-19, ao menos 114 dos 645 municípios paulistas estão com “estoque crítico” de cilindros de oxigênio medicinal, com capacidade para atender à demanda por menos de uma semana. O levantamento foi divulgado nesta quarta-feira, 24, pelo Conselho de Secretários Municipais de Saúde de São Paulo (Cosems/SP). 

Na lista, estão cidades da região metropolitana da capital, como Poá e Franco da Rocha, da Baixada Santista, como Guarujá e Santos, e do interior, como Ribeirão Preto, Presidente Prudente, Marília e Pindamonhangaba, dentre outras, de diferentes portes.

O Brasil está no pior momento de toda a pandemia. Na terça-feira, 23, pela primeira vez, registrou mais de 3 mil mortes por coronavírus. Há escassez de remédios e insumos, especialmente para manter pacientes intubados. Um monitoramento do Ministério da Saúde apontou que 13 Estados estão com situação preocupante ou “estado de atenção” para desabastecimento de oxigênio, dentre os quais está São Paulo.

Os dados de estoque de oxigênio gasoso foram levantados pelo Cosems/SP entre a segunda-feira, 22, e esta quarta-feira. Dos 645 municípios, 177 responderam ao questionário, dos quais 114 apontaram estar com estoque para menos de uma semana. Na sexta-feira, 19, das 69 cidades que responderam, 54 apontaram estar com dificuldades para fazer a reposição.

Como em outros Estados do País, municípios de médio e pequeno porte paulistas dependem majoritariamente do oxigênio em cilindros. Nesses casos, por vezes, a logística envolve grandes deslocamentos e tem volume de entrega limitado. 

Hospitais de maior porte costumam receber, por exemplo, o produto na forma líquida, que é armazenado em tanques. Com a alta demanda, contudo, parte dessas instituições têm enfrentado problemas com panes. Na cidade de São Paulo, uma das falhas está sendo apurada pelo Ministério Público após a denúncia de que poderia ter resultado em três óbitos.

Na quinta-feira, 18, o secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn, admitiu que municípios paulistas têm relatado o problema e disse que a situação é discutida no gabinete de crise da pasta. “Não podemos assistir ao que foi visto em Manaus.” Em janeiro, hospitais da capital amazonense ficaram sem oxigênio e pacientes morreram asfixiados.

No Estado de São Paulo, a média móvel (calculada com os dados dos últimos sete dias) de novas internações por covid-19 está com aumentos consecutivos há mais de um mês. Na terça-feira, bateu o novo recorde da pandemia, com 3.268 hospitalizações, o que é mais do que o dobro de 16 de fevereiro, cuja média foi de 1.445. Ao todo, são 2.332.043 casos e 68.623 óbitos confirmados. 

A ocupação de UTI chegou a 92,3%, o que tem gerado fila de espera por leitos de terapia intensiva. Em leitos clínicos, está em 82,3%, média que é de 87,8% na região metropolitana da capital.

Veja a lista dos municípios com "situação crítica" em São Paulo abaixo: 

Alto Alegre

Andradina

Apiaí

Araçatuba

Arandu

Assis

Atibaia

Auriflama

Bálsamo

Barbosa

Batatais

Bebedouro

Bertioga

Bilac

Biritiba Mirim

Bom Jesus dos Perdões

Bragança Paulista

Brodowski

Buritama

Caieiras

Capela do Alto

Cananéia

Castilho

Catiguá

Cesário Lange

Clementina

Cravinhos

Dracena 

Eldorado 

Fernandópolis 

Fernão 

Francisco Morato 

Franco da Rocha 

General Salgado 

Getulina 

Guapiaçu 

Guararapes 

Guaratinguetá 

Guareí 

Guatapará 

Iacri 

Ibirá 

Indiaporã 

Iporanga 

Iracemápolis 

Irapuru 

Itaporanga 

Itapura 

Itariri 

Itirapina 

Jandira 

Jardinópolis 

Junqueirópolis 

Juquitiba 

Lourdes 

Macaubal 

Marília 

Meridiano 

Miracatu 

Mongaguá 

Murutinga do Sul 

Nhandeara 

Nova Aliança 

Nova Canaã Paulista 

Nova Granada 

Nova Independência 

Olímpia 

Oriente 

Orindiúva 

Ouroeste 

Panorama 

Paranapanema 

Paranapuã 

Paulicéia 

Piacatu 

Pilar do Sul 

Pindamonhangaba 

Piracaia

Pirapozinho 

Pitangueiras 

Poá 

Pontal 

Potirendaba 

Presidente Prudente 

Ribeirão Preto 

Rio Claro 

Riversul 

Santa Albertina 

Santa Gertrudes 

Santa Rita D'oeste 

Santa Rosa de Viterbo 

Santo Antônio da Alegria 

Santos 

São Miguel Arcanjo 

São Simão 

Sertãozinho 

Sete Barras 

Severina 

Sud Mennucci 

Suzano 

Taiacu 

Taquarituba 

Taubaté 

Terra Roxa 

Tupã 

Tupi Paulista 

Urânia 

Valentim 

Gentil 

Valparaíso

Viradouro 

Vista Alegre do Alto 

Votuporanga

 

Correções
25/03/2021 | 16h18

O Cosems/SP informou nesta quinta-feira, 25, que o município de Socorro alegou ter repassado informação incorreta sobre o estoque, que não está em "estado crítico". Portanto, o número atualizado é de 114 municípios com oxigênio para até uma semana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.