Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

2% dos homens com câncer no Brasil têm tumor no pênis

Doença é associada a maus hábitos de higiene; diagnóstico tardio pode levar à amputação

estadão.com.br

23 de agosto de 2010 | 16h54

SÃO PAULO - Patologia pouco comentada no Brasil, o câncer de pênis é responsável por 2% dos tumores que atingem a população masculina do País (cerca de mil casos), de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca).

Associada a maus hábitos de higiene, a doença é bastante invasiva e alcança índices alarmantes nas regiões Norte e Nordeste, onde chega perto de 10% do total de casos de câncer.

 

A informação publicada anteriormente, de que o câncer de pênis atingia 2% de toda a população msculina, havia sido divulgada pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo e estava errada.

Segundo o urologista Alexandre Crippa, do Hospital das Clínicas da FMUSP, ligado à Secretaria de Estado da Saúde, em alguns países subdesenvolvidos a incidência é ainda maior, afetando principalmente homens a partir dos 30 anos.

O Hospital das Clínicas recebe cerca de 60 pacientes com câncer de pênis por ano, de vários Estados. Desse total, em 80% dos casos há necessidade de amputação do membro. O número é preocupante pela gravidade e complexidade em que os casos chegam até o hospital, todos com urgência cirúrgica.

Os sintomas são facilmente caracterizados, por parecer com uma úlcera e formar feridas no pênis. É aí que está o perigo. "A maioria dos pacientes não acredita que isso possa ser um câncer e demora a procurar ajuda médica, prejudicando o tratamento e a cura", afirma Crippa.

O urologista destaca que muitos pacientes optam pela automedicação. "Eles pedem ajuda a farmacêuticos e, muitas vezes, tratam com antibióticos e pomadas, por confundir os sintomas com os de doenças sexualmente transmissíveis. Somente quando a medicação não faz efeito e os sintomas se agravam, é que a pessoa procura ajuda médica", revela.

Crippa explica que a fimose pode ser um fator de risco para a consolidação da doença, pois dificulta a higienização do pênis. "O rapaz que tem fimose sente dificuldades na limpeza, e isso faz com que ele sofra agressões químicas. Ao longo do tempo, surgem microtraumas que podem desencadear o câncer", alerta.

Doença invasiva

O tratamento geralmente é feito por meio de cirurgia, pois o câncer avança de maneira rápida e causa traumas que somente essa intervenção pode reparar a tempo. O especialista acrescenta que, em muitos casos, a doença apresenta-se em estágio avançado, o que torna necessária a amputação total do órgão sexual. Se tratado a tempo, o paciente sofre danos menores, que não o impedirão de ter uma vida sexual ativa.

Segundo Crippa, por causa da eventual mutilação, o diagnóstico precoce é fundamental, pois evita grande parte do sofrimento e sequelas. A prevenção do câncer é simples: basta estar atento à higiene comum, do dia a dia. "É necessária uma limpeza diária com água e sabão e um maior cuidado à região da glande", completa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.