Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

4 em cada 10 hospitais privados de SP têm alta de internações pela covid-19, diz entidade

Levantamento do SindHosp com 76 unidades no Estado revelou que 46% registraram aumento de diagnósticos; hospitais devem evitar cirurgias eletivas

Júlia Marques, O Estado de S.Paulo

19 de novembro de 2020 | 17h31

Um levantamento realizado pelo Sindicato dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estado de São Paulo (SindHosp) indicou que 44,7% dos hospitais privados no Estado de São Paulo detectaram aumento das internações de pacientes com a covid-19 nos últimos 15 dias. O porcentual de unidades que registraram alta de diagnósticos é semelhante (46%). 

A pesquisa foi realizada com 383 hospitais privados não filantrópicos das 17 regiões administrativas do Estado de São Paulo - 76 hospitais responderam ao questionário. Essas unidades somam 7.516 leitos. Segundo o médico Francisco Balestrin, presidente do SindHosp, o número revela tendência de aumento de internações e infecções, mas há diferenças regionais no Estado. 

Os dados corroboram informações já apresentadas pelo governo estadual que indicavam aumento de 18% das internações pela covid-19. Por causa desse crescimento, o Estado suspendeu avanços no plano de reabertura econômica previstos para o dia 16 de novembro. Novas flexibilizações só poderão ocorrer a partir do dia 30.

Nesta quinta-feira, o governo de São Paulo determinou em decreto que os hospitais, públicos e privados, não poderão desmobilizar seus leitos voltados para o atendimento de pacientes com coronavírus. Outra determinação é a de não agendar cirurgias eletivas para não ocupar leitos em um momento de "recrudescimento" da pandemia no Estado.

Balestrin destaca que a maior parte dos hospitais está preparada para uma segunda onda da doença e que as unidades criaram fluxos distintos de atendimento, para pacientes com a doença e aqueles que chegam com outras condições de saúde. Para o médico, não faz sentido proibir o agendamento de cirurgias eletivas. 

“Tem um número grande locais em que ainda não aumentou o número de casos. No começo, todo mundo proibiu procedimentos cirúrgicos eletivos, mas fizemos mal para a saúde. O paciente cardiológico, neurológico, oncológico deixou de fazer seus segmentos nos hospitais porque ficou preocupado. Muitas vezes pioraram sua situação.”

Segundo o médico, leitos para a covid-19 já estão sendo mantidos nos hospitais privados, independentemente de decreto do governo estadual. “É claro que todas as instituições ao ver que estão tendo pressão de pacientes de covid vão atender a essa urgência sanitária”, diz Balestrin. “A melhor recomendação ainda é evitar o espalhamento da covid, com todas as ações de distanciamento social, uso de máscara e higienização das mãos.”

Números da covid-19 no Estado

A média móvel de mortes pela covid-19 no Estado de São Paulo, que vinha caindo desde meados de setembro, voltou a subir esta semana, após apagão de dados por falha técnica na plataforma do Ministério da Saúde. No dia 10 de novembro, a média móvel estava em 50, número baixo puxado pela ausência de registros durante cinco dias. Nove dias depois, a média móvel de óbitos diários chegou a 125, nesta quinta-feira. O número de infectados também aumentou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.