A era das lentes com foco automático

Os avanços tecnológicos na área da medicina oftalmológica têm sido consideráveis - o que tem facilitado cada vez mais o diagnóstico precoce de doenças oculares, bem como o tratamento de boa parte delas. A novidade mais recente vem dos Estados Unidos: uma lente de cristal líquido com foco automático. Pesquisadores da Universidade do Arizona (UA) estão analisando uma lente que, além de prometer um adeus às ultrapassadas bifocais, pretende revolucionar esse nicho de mercado. Em pesquisa desde 2001, eles desenvolveram uma lente de cristal líquido que ajusta o foco automaticamente. Num futuro próximo, a aplicação da tecnologia dispensará o uso de mais de um par de óculos ou a troca das lentes por conta da mudança do grau. "O protótipo que desenvolvemos necessita de um dispositivo mecânico para selecionar o foco desejado, mas isso será feito de forma automática, como o autofoco das câmaras fotográficas", explica Nasser Peyghambarian, professor da Faculdade de Ciências Óticas da Universidade do Arizona. Os testes iniciais foram feitos com a ajuda de um modelo de olho humano. Em seguida foi confeccionado o protótipo, que foi testado em cobaias humanas. As avaliações mostraram que a visão para distância não foi prejudicada quando o dispositivo de foco estava desligado (off) e permitiu um bom desempenho na visão de perto com o dispositivo acionado (on). Os pesquisadores afirmam que o protótipo demonstrou eficiência na performance e resposta rápida. "A idéia é que a lente se ajuste sozinha, de acordo com a necessidade da pessoa. Quando isso ocorrer, será uma revolução no tratamento da presbiopia", informa Peyghambarian. Presbiopia é uma doença que consiste basicamente na diminuição da capacidade do olho em focalizar de perto. Em grande parte das pessoas o problema começa a partir dos 40 anos. A lente desenvolvida na Universidade do Arizona é formada por duas peças de vidro planas (não há curvatura vista em lentes comuns). Existe um espaço entre as lâminas de cinco microns (um vigésimo da espessura de um fio de cabelo). Essa lacuna é preenchida com cristal líquido. A estética se assemelha à tela de um notebook. Sobre o vidro das lentes há uma camada de óxido de estanho e índio, ou seja, um eletrodo transparente, que, ao contrário dos demais, transmite a maior parte da luz captada. Uma carga elétrica inferior a dois volts muda a orientação das moléculas de cristal líquido, bem como o índice de refração. Esse movimento é que faz o foco ser alterado. Só nos Estados Unidos cerca de 130 milhões de pessoas sofrem de presbiopia. Estimativas dão conta que, em todo o mundo, 93% da população acima dos 45 anos apresenta condição para problema. "Existem aspectos positivos desse trabalho. Um deles é o fato de, no futuro, o paciente não precisar trocar as lentes quando o oftalmologista mudar o grau. Acredito que a ativação destes polímeros poderá chegar ao novo grau do paciente", avalia Leonardo Akaishi, diretor do Hospital Oftalmológico de Brasília. Akaishi ressalta que já está em andamento, há cinco anos, um estudo sobre lentes de contato passíveis de modificação de grau sem a troca do produto. Com a tecnologia em desenvolvimento isso seria feito por meio da aplicação de um laser na lente. Cristalino - O trabalho desenvolvido pelo grupo da Universidade do Arizona tem um objetivo bastante ambicioso: substituir a função do cristalino do olho, que é a lente natural, responsável por focalizar o objeto de acordo com a necessidade (perto ou longe). As lentes disponíveis hoje no mercado tentam desempenhar a mesma função, mas são aquelas bifocais ou multifocais. De acordo com Peyghambarian a promessa é que o produto substitua o convencional. Na apresentação do trabalho, os pesquisadores lembraram que o uso das lentes convencionais tem adaptação demorada, isso porque, para ler ou ver algum objeto próximo, o usuário tem de posicionar os olhos para baixo. Essa situação causa um certo incômodo e, em alguns casos, até vertigem e enjôos. Inicialmente a pesquisa contempla lentes utilizadas em óculos, mas estudos serão feitos para que a tecnologia possa ser aplicada em lentes de contato. A previsão é que em três anos o produto já possa ser comercializado. As lentes dos pesquisadores do Arizona vão revolucionar um mercado que hoje movimenta cerca de US$ 50 bilhões no mundo inteiro. Pesquisa - A pesquisa foi publicada, no início do mês, na PNAS ("Proceedings os the National Academy of Sciences of the United States of America") - que congrega diversos estudos da Sociedade Científica dos Estados Unidos. Embora, inicialmente, seja uma lente para o tratamento da presbiopia, a tecnologia poderá ser usada em outras áreas da medicina. "O uso é ilimitado e pode ter várias outras aplicações, inclusive na odontologia, onde elementos óticos que aumentem de forma substantiva o diâmetro dos objetos são desejáveis", afirma Peyghambarian.

Agencia Estado,

01 de junho de 2006 | 14h27

Tudo o que sabemos sobre:
especiais

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.