Arquivo pessoal/Divulgação
Arquivo pessoal/Divulgação

Abaixo-assinado pede a funcionários para ajudar pessoas com Alzheimer em voos

Campanha online pretende atingir 35 mil assinaturas para oferta de serviço que já está disponível para crianças que viajam sozinhas; empresas dizem que dão desconto para acompanhantes

Paula Felix, O Estado de S. Paulo

20 Novembro 2015 | 08h00

SÃO PAULO - Após notar a necessidade de um profissional para acompanhar a mãe com Alzheimer durante uma viagem, a psicóloga e professora universitária Monica Mastrantonio, de 46 anos, resolveu criar um abaixo-assinado online para que as empresas aéreas Gol, Tam e Azul passem a oferecer o serviço de acompanhamento para passageiros com a doença. Criada há um mês na plataforma Change.org, a ação já alcançou quase 30 mil assinaturas e pretende atingir 35 mil.

Maria Lucia Martins, de 70 anos, apresenta sinais da doença há dez anos e foi diagnosticada no ano passado. Em outubro deste ano, faria uma viagem especial: sairia de Londrina com destino a São Paulo para reencontrar as amigas e celebrar os 50 anos de formatura no magistério.

“Já tinha comprado a passagem, quando vi que não havia nenhum tipo de serviço para o caso dela e, como ela já havia ficado perdida anteriormente no aeroporto, tive de comprar passagens de última hora para as cuidadoras poderem fazer embarque e desembarque com ela nesse trajeto. Mas esse não é o caso dela apenas. Há famílias que não possuem condições financeiras para pagar passagens para acompanhantes, famílias que precisam encaminhar seus idosos para consultas ou cirurgias em outras localidades, para as festas de fim de ano”, diz Monica.

A psicóloga diz que empresas estrangeiras, como a norte-americana JetBlue Airways, já oferecem o serviço, que é semelhante ao que está disponível para crianças que viajam desacompanhadas nas aéreas nacionais. “Basicamente, (seria) o mesmo serviço que já oferecem para as crianças e deveriam estendê-lo para esse grupo especial. Há uma taxa extra que se paga para o menor e também acho que as companhias aéreas podem fazer tal cobrança, pois acabam tendo um trabalho a mais no embarque e desembarque desse passageiro.”

Monica diz que já entrou em contato com as empresas e que espera ter um retorno positivo que vai ajudar não só sua mãe, mas várias pessoas que têm o mesmo problema no País. “Iniciativas como essa são urgentes e necessárias e podem, sim, contribuir para uma vida ativa e plena de pessoas que sofrem com o Mal de Alzheimer e outros problemas de saúde. Ainda existe muito preconceito com relação a essa doença, as pessoas acham que quem tem Alzheimer deve ficar em casa, trancado, ou que sua vida acabou. Nós aprendemos muito com essa doença, a aproveitar e valorizar cada momento, a realmente viver a vida, a não desperdiçar as oportunidades e a melhorar o mundo. Essa é a razão desse abaixo-assinado.”

Desconto. Em nota, a Tam Linhas Aéreas informou que oferece atendimento para passageiros com necessidades de assistência especial e que a solicitação do serviço deve ser feita no ato da compra da passagem. “Ainda seguindo as normas do setor, a empresa ainda dá a possibilidade de um familiar acompanhar o passageiro durante o voo com um desconto no ticket estabelecido por lei”, afirma.

A Gol disse que conta com o serviço “Encontrar e Assistir”, que tem como objetivo ajudar os clientes nos “procedimentos no aeroporto, incluindo passageiros com dificuldade cognitiva para compreensão ou comunicação”.

A Azul informou que também tem desconto de 80% para os acompanhantes de passageiros com necessidades especiais e “aguardará os desdobramentos do abaixo-assinado e se posicionará caso a proposta venha a ser implementada”.

Mais conteúdo sobre:
Mal de Alzheimer

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.