Antonio Cruz/Agência Brasil
Antonio Cruz/Agência Brasil

'Acho que a metade não volta para Cuba', diz Mourão sobre médicos cubanos

Vice-presidente disse que parte dos profissionais deverá ficar no Brasil por gostar 'do nosso estilo de vida'

Luisa Marini e Breno Pires, O Estado de S.Paulo

19 Novembro 2018 | 15h30

BRASÍLIA - Para o vice-presidente da República eleito, Hamilton Mourão, o retorno dos médicos cubanos ao país de origem após rompimento do acordo entre Cuba e Brasil no programa Mais Médicos não deve ser tão rápido assim, por questões logísticas. Em rápida entrevista coletiva no Centro Cultural Banco do Brasil, nesta segunda-feira, 19, Mourão se arriscou a dizer que metade dos profissionais poderá permanecer do Brasil.

"Posso até ser leviano aqui, mas acho que talvez a metade (dos médicos cubanos) não volta. Acho que eles gostam do nosso estilo de vida", acrescentou.

Os comentários foram feitos por Mourão após questionamento da imprensa sobre se a equipe do futuro governo já tem uma solução para substituir os médicos após o rompimento do acordo. Foi quando o vice-presidente falou que o retorno poderá ser lento.

"Eu não sei quanto tempo vai levar para esses médicos saírem. Para eles serem deslocados de onde estão, teve apoio das Forças Armadas. Força Aérea e Exército transportaram. Colocamos eles em quartéis em determinado período. Eles estão espalhados pelo Brasil inteiro, são mais de 8 mil. Não é dar um estalido e todos eles vão se deslocar para o aeroporto e embarcar", disse Mourão.

Para médicos cubanos permanecerem no Brasil, dependeria do desejo individual e da concessão do asilo no País, o que já foi sinalizado como viável pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro. 

Mourão disse que os médicos cubanos, caso desejem ficar no Brasil, serão bem recebidos. "O próprio presidente Bolsonaro já falou isso", comentou o vice-presidente.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.