AP
AP

Advogados recomendam ações e acordos

Custos e danos morais podem ser cobrados do fabricante, do importador, da Anvisa e até do governo francês

Felipe Oda, Jornal da Tarde,

04 de janeiro de 2012 | 22h30

Acordos coletivos e ações judiciais são opções apontadas por especialistas para as brasileiras que implantaram próteses mamárias de silicone da marca francesa Poly Implant Prothèses (PIP) e tiveram problemas serem ressarcidas. Os custos de novas próteses e da cirurgia, além de possíveis danos morais, podem ser cobrados do fabricante, do importador, da Anvisa e do governo francês. 

 

“Mesmo sendo uma empresa francesa e falida, a paciente pode acionar a Justiça brasileira para ser ressarcida”, afirma a advogada Joung Won Kim, professora da Escola Superior de Advocacia (ESA), da OAB-SP.

 

No País, as próteses eram comercializadas pela EMI Importação e Distribuição. “Caso o fabricante não seja encontrado, o importador é o próximo a ser notificado”, diz a advogada Maria Stella Gregori, professora de Direito do Consumidor da PUC-SP. 

 

Procurados, os representantes da EMI não responderam. Mas amanhã eles deverão se reunir com técnicos da Anvisa para esclarecer como será feito o descarte das 10 mil próteses da PIP que ainda restam no Brasil. A Anvisa também não se manifestou.

 

“Mesmo que a EMI alegue falência, a responsabilidade ainda é dos sócios. Caso a empresa não possa ser notificada judicialmente, os sócios, pessoas físicas, poderão ser cobrados”, afirma Joung. As advogadas explicam que as pacientes podem exigir o valor gasto com novas próteses e cirurgia, caso o procedimento já tenha sido feito, ou que o fabricante ou importador pague pela cirurgia plástica e silicone. “Indenizações morais também podem ser solicitadas”, diz Maria. 

 

Caso a paciente não tenha resposta da fabricante nem do importador, as advogadas sugerem dois caminhos: acionar a Anvisa ou buscar um acordo com o governo francês. “Na França, o governo decidiu arcar com o ônus. Uma ação coletiva administrativa, movida pelas pacientes por meio do Ministério Público, por exemplo, poderia firmar um acordo para que os franceses também cobrissem as brasileiras”, sugere Joung. 

 

Segundo ela, o caminho de um acordo é “quase tão longo quanto o de uma ação convencional”. “Mas a considero mais viável. O governo francês já se prontificou a bancar, por lá, novas próteses e cirurgias”, diz Joung. 

 

Para Maria, caso os “agentes principais não possam ser notificados pela Justiça, a Anvisa deve ser responsabilizada”. “Eles liberaram um produto ao mercado nacional sem comprovação científica da qualidade. Assim, são responsáveis por eventuais problemas provocados pelas próteses”, afirma.

 

 

 

Indicações às pacientes:

 

 

1. Como saber qual é a marca da prótese?

 

Em tese, toda paciente recebe do médico um documento que diz qual é a marca, o tamanho e a textura da prótese, além do seu número de fabricação. Quem jogou fora o papel deve procurar o cirurgião, que é obrigado a guardar esse tipo de informação na ficha da paciente. 

 

 

2.Qual é a recomendação?

 

A Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética defende a substituição de todas as próteses PIP. Mas a Anvisa sugere que se procure o médico responsável pela cirurgia. A substituição ficaria a critério do médico e da paciente.

 

 

3.Quais são os riscos?

A França alega que as próteses PIP apresentam um índice de rompimento cerca de cinco vezes maior que as demais próteses. Ainda não está comprovado que causam câncer.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.