Aeroportos de Paris combatem jetlag com luminoterapia

Sessões de 15 minutos também tratam da chamada depressão de inverno.

Ana Carolina Moraes, BBC

18 de dezembro de 2007 | 11h50

Os dois principais aeroportos franceses, Charles de Gaulle e Orly, vão oferecer sessões gratuitas ao público de iniciação à luminoterapia a partir desta quinta-feira. O objetivo é minimizar os efeitos do jetlag, distúrbio causado pelas mudanças de fusos-horários, e ajudar a combater a chamada "depressão do inverno". As sessões vão durar cerca de 15 minutos e serão realizadas em espécies de iglus equipados com poltronas de relaxamento e painéis que emitem uma luz branca de alta intensidade - entre 2,5 mil e 10 mil lux - equivalente à luz de um dia ensolarado. Equipes ambulantes também vão percorrer as salas de embarque munidas de óculos de luminoterapia para propor sessões-relâmpago aos passageiros.Segundo François Duforez, do centro do Sono e Vigilância do Hospital de Deus, em Paris, exposições diárias de cerca de uma hora durante os três primeiros dias da viagem podem ajudar a regular o relógio biológico e a diminuir os efeitos da diferença de fuso. Esse tipo de terapia já é utilizada em atletas que viajam longas distâncias para participar de competições ou em pessoas com distúrbios de sono ou depressão. Os aeroportos de Paris alertam que sessões relâmpago de 15 minutos não são suficientes para produzir o efeito ideal, mas explicam que o objetivo principal é iniciar o público nos benefícios da luminoterapia.As sessões gratuitas serão realizadas entre os dias 20 e 31 de dezembro, período em que os aeroportos de Charles de Gaulle e Orly devem receber mais de 4 milhões de passageiros. A partir de janeiro, o serviço será oferecido unicamente nos espaços Be Relax, do aeroporto Charles de Gaulle. As sessões, que também incluem massagens, vão custar entre 25 e 40 euros, ou seja, entre R$ 65 e R$ 105.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.