Timur Matahari/AFP
Timur Matahari/AFP

África do Sul suspende vacina de Oxford após estudo indicar proteção limitada para variante

País pretendia começar a aplicação da vacina contra a covid-19 em profissionais de saúde em breve após ter recebido 1 milhão de doses na semana passada

Reuters, O Estado de S.Paulo

07 de fevereiro de 2021 | 18h07

JOHANNESBURG - A África do Sul vai suspender o uso da vacina desenvolvida em parceria entre a farmacêutica britânica AstraZeneca e a Universidade de Oxford após teste apontar que o imunizante oferece proteção limitada contra a variante sul-africana do coronavírus.

O governo do país pretendia começar a aplicação da vacina contra a covid-19 em profissionais de saúde em breve, após ter recebido 1 milhão de doses na semana passada. No entanto, um estudo da Universidade de Witwatersrand, da África do Sul, e da Universidade de Oxford mostrou que a vacina reduziu significativamente sua eficácia contra a principal variante no país, segundo reportagem do Financial Times.

Neste domingo, 7, o ministro da Saúde, Zweli Mkhize, afirmou que a melhor forma de proceder com as vacinas de Oxford recebidas ainda será discutida com cientistas da pasta. Como alternativa, o governo sul-africano espera oferecer imunizantes da Johnson & Johnson e da Pfizer nas próximas semanas.

Entre as variantes do coronavírus atualmente mais preocupantes para cientistas e especialistas em saúde pública estão as chamadas cepas britânica, sul-africana e brasileira. Há indícios de que essas variantes se espalham mais rapidamente do que outras.

"Neste pequeno estudo de fase I e II, os dados iniciais mostraram eficácia limitada contra infecções leves principalmente devido à variante sul-africana B.1.351", disse um porta-voz da AstraZeneca no sábado, 6. "No entanto, não fomos capazes de determinar adequadamente seu efeito contra infecções graves e contra hospitalização, uma vez que os indivíduos eram predominantemente adultos jovens saudáveis."

O teste envolveu 2.026 pessoas, com metade sendo o grupo placebo, e não foi revisado por pares, de acordo com o Financial Times. Segundo o jornal, nenhum dos participantes foi hospitalizado ou morreu.

A AstraZeneca afirmou acreditar que sua vacina poderá proteger contra infecções graves, visto que a atividade de anticorpo neutralizante era equivalente à de outras vacinas contra covid-19 que demonstraram proteção contra casos mais sérios.

Embora milhares de mudanças individuais tenham surgido à medida que o vírus se transforma em novas variantes, apenas uma pequena minoria provavelmente será relevante ou alterará o vírus de forma perceptível, de acordo com o British Medical Journal.

"A Universidade de Oxford e a AstraZeneca começaram a adaptar a vacina contra essa variante e irão avançar rapidamente no desenvolvimento clínico para que esteja pronta para entrega no outono (do Hemisfério Norte), caso seja necessário", disse o porta-voz da AstraZeneca.

Na sexta, Oxford disse que sua vacina tem eficácia semelhante contra a variante do coronavírus britânico, assim como contra as variantes que circulavam anteriormente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.