Africano pediu refúgio no Brasil à Polícia Federal em SC

Souleymane Bah, de 47 anos, desembarcou no Aeroporto de Cumbica há 2 semanas e tem visto para permanecer um ano no País

Marco Antônio Carvalho, Especial para o Estado

10 Outubro 2014 | 12h53

SÃO PAULO - O africano Souleymane Bah, de 47 anos, havia solicitado refúgio no Brasil há 17 dias. O pedido foi registrado na delegacia da Polícia Federal do município de Dionísio Cerqueira, em Santa Catarina, fronteira com a Argentina. O homem natural da Guiné recebeu um visto extraordinário que permite a sua estadia no País por um ano.

Souleymane foi identificado como suspeito de portar o vírus Ebola na noite desta quinta-feira, 9, na cidade de Cascavel, no interior do Estado do Paraná e distante cerca de 190 quilômetros de Dionísio Cerqueira. Ele recebeu atendimentos iniciais em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) no município e foi transferido para o Rio de Janeiro em um avião da Força Aérea Brasileira (FAB).

O Ministério da Saúde confirmou na manhã desta sexta-feira, 10, que o homem entrou no Brasil pelo Aeroporto Cumbica, em Guarulhos, na  Região Metropolitana de São Paulo.

Pelo número do passaporte, as autoridades conseguiram identificar que o africano desembarcou no aeroporto no dia 19 de setembro. O caminho que ele percorreu até passar por Santa Catarina, onde pediu refúgio no dia 23, e ir a Cascavel, no Paraná, nesta semana, não é conhecido. 

Em entrevista coletiva, o Ministério da Saúde informou que 64 pessoas mantiveram contato com o homem, dos quais apenas três tiveram contato direto. Todos serão monitorados por equipes de saúde e terão a temperatura aferida ao menos uma vez por dia durante 21 dias. 

Mais conteúdo sobre:
EbolaBrasilSanta Catarina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.