Africanos acusam conferência sobre aids de ignorar suas necessidades

Entidade diz que reunião reflete a falta de coordenação sobre a doença em países europeus

Efe

21 Julho 2010 | 16h30

VIENA - A Rede Global da Diáspora de Negros Africanos (ABDGN, na sigla em inglês) acusou a Conferência Internacional Aids 2010, que termina nesta sexta-feira, 23, em Viena, de não discutir suas necessidades e de refletir a falta de coordenação sobre a doença reinante em muitos países europeus.

 

"A política e a resposta programática na Europa sobre a epidemia que afeta os negros africanos marginalizou nossas vozes e a capacidade de articular nossas necessidades para tomar decisões", disse a organização nesta quarta-feira.

 

Em comunicado, a ABDGN afirma que a falta de coordenação fez com que os negros africanos fossem ignorados na distribuição de informação e recursos, apesar de muitas dessas comunidades serem de países com alto número de portadores do vírus HIV.

 

A entidade lembrou que 46% de todos os heterossexuais infectados pelo HIV na Europa Ocidental em 2005 eram imigrantes de países com alto nível de soropositivos.

 
Mais conteúdo sobre:
aidsHIVVienaafricanos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.