Água contaminada pode ter matado 14 crianças indígenas

Num prazo de apenas um ano, 14 crianças morreram vítimas de uma doença misteriosa na reserva indígena Apinajé, na cidade de Tocantinópolis, a 600 quilômetros de Palmas, no Estado do Tocantins. Autoridades sanitárias acreditam que a causa das mortes pode ser a água que vem sendo consumida pela tribo. Foram seis mortes nas últimas duas semanas. Técnicos da Companhia de Saneamento Básico do Tocantins recolheram amostras da água e divulgarão o resultado dos exames na próxima segunda-feira. Segundo a Fundação Nacional do Índio (Funai), pelo menos 60 crianças estão doentes e todas apresentam os mesmo sintomas: diarréia, febre e gripe. O coordenador da Fundação Nacional da Saúde (Funasa) no Tocantins, Carlos Patrocínio, disse que há dois meses não há atendimento médico na aldeia. Uma equipe médica de Brasília viajou para a aldeia, sob protesto dos líderes indígenas, que acham que o socorro está seguindo tarde demais, informou a Funai.

Agencia Estado,

19 de janeiro de 2006 | 13h37

Tudo o que sabemos sobre:
notícia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.