Arquivo/AE
Arquivo/AE

Águas subterrâneas não ameaçam mais Esfinge, dizem autoridades egípcias

Trabalhos de drenagem estão sendo realizados nas imediações das Pirâmides de Gizé para evitar que a Esfinge afunde na superfície arenosa

Efe,

10 de maio de 2012 | 12h29

As autoridades do Ministério de Estado egípcio para Antiguidades anunciaram nesta quinta-feira, 10, que as águas subterrâneas não são mais um perigo para a Esfinge, situada na esplanada das pirâmides de Guizé, embora os trabalhos de drenagem ainda continuam.

 

O ministro da pasta, Mohammed Ibrahim, informou em comunicado que, depois que secaram o terreno com uma maquinaria especial, o nível das águas subterrâneas não ameaçam à estátua

 

O projeto, empreendido em colaboração com a agência americana para o desenvolvimento internacional (USAID), inclui também a drenagem das águas subterrâneas nas imediações da pirâmide de Kefrén (2.520-2.494 a.C.)

 

A iniciativa foi iniciada depois da análise de um centro de consultas internacional sobre as águas subterrâneas na zona onde se encontram a Esfinge e as três Pirâmides de Gizé, informou o comunicado.

 

Vários especialistas advertiram sobre o perigo da Esfinge afundar, após ser comprovado que as águas subterrâneas dos arredores estavam subindo para a superfície.

 

A estátua de pedra caliça, metade homem metade leão, sempre foi venerada e, na época faraônica, era local de culto. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.