Aids recua nos grandes centros, mas avança no interior do País

Balanço do governo mostra que a taxa de incidência dobrou em cidades com menos de 50 mil habitantes

Agência Brasil,

26 de novembro de 2009 | 12h12

Balanço divulgado nesta quinta-feira, 26, pelo Ministério da Saúde mostra que os casos de aids no Brasil diminuíram nos grandes centros urbanos, mas aumentaram em cidades do interior do país. Dados indicam que, de 1997 a 2007, a taxa de incidência da doença dobrou em municípios com menos de 50 mil habitantes. A análise foi feita com base em casos registrados em 4.867 cidades onde foi notificada pelo menos uma ocorrência da doença (87,5% do total de municípios no país).

 

Veja também:

linkHIV atinge mais mulher na faixa dos 13 aos 19 anos

linkDados sobre aids são positivos, mas ainda preocupam, diz ONU

linkNúmero de mortes por aids cai mais de 10% nos últimos 5 anos

video Adriane Galisteu lança campanha contra a aids

 

De acordo com a pesquisa, a queda nos grandes centros urbanos entre 1997 e 2007 foi de 15%, com a taxa de incidência passando de 32,7 notificações para cada 100 mil habitantes para 27,4. Ao todo, 24 dos 39 municípios com mais de 500 mil habitantes registraram queda da doença considerada significativa. Ainda assim, eles concentram 52% dos casos de aids no país 283.191 no total.

 

As cidades do interior do país, em 1996, apresentavam índices oito vezes menores que os dos grandes centros. Mas, em 2007, os números passaram a ser apenas três vezes menores. A taxa de incidência nessas localidades subiu de 4,4 para cada 100 mil habitantes para 8,2 e o interior do Brasil já concentra 15,4% dos casos de aids.

 

Dos 100 municípios com mais de 50 mil habitantes que apresentaram maior taxa de incidência da doença, os 20 primeiros estão na Região Sul. Em primeiro lugar no ranking está a cidade de Porto Alegre, com taxa de incidência de 111,5 por 100 mil habitantes, seguida por Camboriú, em Santa Catarina, com 91,3.

 

A tendência de crescimento da aids em cidades menores e a queda nos grandes centros, de acordo com o balanço, também foi confirmada nas regiões Sudeste, Centro-Oeste e Sul. Já Norte e Nordeste apresentam aumento da taxa de incidência tanto em municípios grandes quanto em pequenos.

 

Dados preliminares do ministério indicam que, de 1980 até junho deste ano, foram registrados 544.846 casos de aids no Brasil, além de 217.091 mortes provocadas pela doença. Por ano, são notificados entre 33 mil e 35 mil novos casos. A estimativa é que 630 mil brasileiros já foram infectados pelo HIV em todo o País.

 

Entre os casos acumulados de 1980 até junho de 2009, a Região Sudeste concentra o maior porcentual (59,3%), com 323.069 registros da doença. O Sul registra 19,2% dos casos, com 104.671 notificações; o Nordeste tem 11,9%, com 64.706; o Centro-Oeste 5 7%, com 31.011; e o Norte 3,9%, com 21.389.

 

Homens estão morrendo menos pela doença

 

O índice de mortes causadas pela aids está estável no Brasil desde 2000, em torno de seis óbitos para cada 100 mil habitantes. A pesquisa do Ministério da Saúde indica que entre os homens a taxa caiu, passando de 9,6, em 1998, para 8,1, em 2008. Já entre as mulheres, o índice de mortalidade aumentou de 3,7, em 2000, para 4,1, em 2008.

 

De acordo com o balanço, o país registrava 15 casos de aids em homens para cada ocorrência em mulheres em 1986. A partir de 2003, a proporção passou a ser de 15 casos em brasileiros do sexo masculino para dez casos em pessoas do sexo feminino. Em 2007, a taxa de incidência foi de 22 notificações para cada 100 mil homens e de 13,9 para cada 100 mil mulheres.

 

Um dos destaques da pesquisa, de acordo com o ministério, é o grupo de 13 a 19 anos de idade, em que o número de casos da doença é maior entre as meninas. Desde 1998, essa faixa etária registra a proporção de oito casos entre meninos para cada dez em meninas.

 

A diretora do Departamento Nacional de DST/AIDS e Hepatites Virais do ministério, Mariângela Simão, lembrou que muitas adolescentes não têm a iniciativa de pedir para os parceiros usarem preservativo.

"As meninas tradicionalmente dependem dos meninos para o uso do preservativo. Quem define o uso do preservativo é o menino. A primeira razão que as meninas apontam para não terem usado o preservativo é a confiança no parceiro", afirmou.

 

Em 2007, a transmissão por relações sexuais em homens adultos foi maior entre heterossexuais (45,1%). Na categoria sanguínea, a transmissão foi maior entre os usuários de drogas injetáveis (7,4%).

 

No caso das mulheres, a transmissão por relações sexuais entre heterossexuais sempre predominou em toda a série histórica. Em 1997, a infecção por meio do sexo desprotegido foi responsável por 88,7% dos casos. Em 2007, esse porcentual alcançou 96,9%.

Tudo o que sabemos sobre:
aidsBrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.