Ricardo Moraes/Reuters
Ricardo Moraes/Reuters

Aloizio Mercadante planeja criar programa contra desastres naturais

Segundo ministro, mais de 60% desses acidentes no País são enchentes e desmoronamentos

Afra Balazina, de O Estado de S.Paulo

10 Janeiro 2011 | 21h27

BRASÍLIA - O ministro de Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, quer desenvolver um "grande programa de previsão de catástrofes naturais". Segundo ele, mais de 60% dos desastres naturais do País hoje são enchentes e desmoronamentos de encostas. "Estimamos aproximadamente 500 áreas de risco e mais ou menos 5 milhões de pessoas expostas", afirmou nesta segunda-feira, 10.

Mercadante visitou o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), em São José dos Campos (SP), e avaliou que a aquisição de um supercomputador para o Inpe, que já está em funcionamento, será fundamental para o programa.

"O georreferenciamento de áreas de risco e uma previsão meteorológica que tenha maior capacidade de se antecipar aos fenômenos vão permitir que a gente tenha, com a Defesa Civil e o apoio das Forças Armadas, condições de prevenir desastres naturais", destacou.

O ministro lembrou das enchentes que atingiram duramente Santa Catarina e o Rio de Janeiro no ano passado e que agora caem sobre Minas Gerais. "Precisamos nos preparar para esse cenário", disse.

Medidas fiscais

Mercadante também defendeu que produtos que contribuam para o meio ambiente ou reduzam as emissões de gases estufa recebam incentivos fiscais no Brasil.

Como exemplo, ele citou um plástico feito pela Brasken com matéria-prima de etanol. "O custo desse plástico ainda é mais elevado que o comum, e hoje não existe nenhuma medida fiscal que estimule a produção desse produto", explicou. Segundo o ministro, esse incentivo ajudaria também a reduzir o déficit comercial do País com a importação de nafta (derivado do petróleo).

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.