Alta tecnologia para ferramentas de pedra surgiu há 75.000 anos

Método para lascar a borda da pedra e produzir um corte mais afiado já era conhecido na África

REUTERS, REUTERS

28 Outubro 2010 | 17h08

Ponta de pedra lascada encontrada na caverna Blombos da África do Sul. Science/AP

 

Um povo pré-histórico dominou o processo difícil e delicado de afiar pedras até que se tornassem pontas de lança e facas pelo menos 75.000 anos atrás, 50.000 anos mais cedo do que se pensava, de acordo com trabalho publicado na edição desta semana da revista Science.

 

Veja também:

linkDescobertos vestígios de banquete realizado há 12.000 anos

 

A técnica, conhecida como lascagem de pressão, permitia que a forma final da pedra fosse melhor controlada para produzir armas de caça mais eficientes, dizem os autores do trabalho.

 

"Essas pontas são muito finas, afiadas e estreitas, e possivelmente penetravam o corpo dos animais melhor do que outras ferramentas", disse Paola Villa, curadora do Museu de História Natural da Universidade de Colorado e coautora do estudo.

 

As novas descobertas mostram que lascagem de pressão era usava na caverna Blombos, localizada onde hoje é a África do Sul, por seres humanos anatomicamente modernos e envolvia o aquecimento do silcreto - grãos de quartzo cimentados por sílica - usado para fazer ferramentas, diz nota distribuída pela universidade.

 

Lascagem de pressão é um processo no qual implementos anteriormente esculpidos por golpes de um pesado martelo de pedra, seguidos por golpes de martelos mais leves de madeira ou osso, são cuidadosamente aparados nas bordas pela pressão direta da ponta de uma ferramenta feita de osso de encontro à pedra, diz a nota. 

 

Antes da descoberta na caverna de Blombos, a evidência mais antiga de lascagem de pressão vinha da França e da Espanha, e datava de cerca de 20.000 anos atrás.

 

Os autores especulam que a técnica pode ter sido inventada na África e usada apenas esporadicamente antes de ser adotada de forma ampla na Europa, Austrália e América do Norte.

Mais conteúdo sobre:
arqueologiaáfrica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.