Altura influencia risco de problemas cardíacos, mostra estudo

Peso, pressão sanguínea e tabagismo continuam a ser os fatores mais importantes

Associated Press

09 Junho 2010 | 16h40

Pessoas mais baixas têm 50% mais chance de sofrer de problemas cardíacos ou de morrer de uma doença do coração do que pessoas mais altas, diz um novo estudo, embora peso, pressão sanguínea e tabagismo continuem a ser os fatores mais importantes.

 

Estudos anteriores haviam sugerido uma ligação entre estatura e problemas cardíacos como angina, ataques cardíacos e angioplastias. Esta é a primeira grande revisão desses estudos, incluindo pesquisas de várias partes do mundo.

 

Pesquisadores da Finlândia analisaram 52 artigos científicos que reuniam dados sobre altura e problemas cardíacos em mais de 3 milhões de pessoas, homens e mulheres.

 

Os especialistas não consideraram a medida objetiva dos pacientes, mas sua relação com a estatura média particular de cada país. E descobriram que as pessoas mais baixas têm mais risco de sofrer de problemas do coração. Em média, as pessoas baixas tinham menos de 161 centímetros, e as altas, pelo menos 174.

 

O estudo foi publicado online pelo European Heart Journal.

 

"Não queremos pôr medo nas pessoas baixas, mas elas talvez devam prestar mais atenção em seus estilos de vida", disse o professor de epidemiologia genética da Universidade de Copenhague, Borge Nordestgaard, que não tomou parte no estudo.

 

Não existe uma explicação para a relação entre estatura e risco de problemas cardíacos, mas pesquisadores sugerem algumas hipóteses - por exemplo, que muitas pessoas crescem menos do que poderiam porque são pobres, o que significa desnutridas e vulneráveis.

 

Também poderia haver uma ligação com hormônios, ou com o fato de as artérias das pessoas menores também serem menores e, por isso, entupirem-se com mais facilidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.