Alzheimer: novos exames de sangue auxiliam na confirmação do diagnóstico

No Brasil, há cerca de 1,2 milhão de pessoas com a doença, segundo dados do Ministério da Saúde

Cristiane Segatto - O Estado de S.Paulo

Desde que a mãe recebeu o diagnóstico de Alzheimer, há 13 anos, a fotógrafa e laboratorista Rosangela Andrade lida com a situação a partir de um ponto de vista moldado pelo próprio ofício. Para ela, uma pessoa que não registra as coisas não pode ter memória. A partir dessa perspectiva, ela decidiu ensinar Therezinha Motta Andrade, de 87 anos, a fotografar.

Com uma câmera na mão, a dona de casa passou a acompanhar a filha nas andanças pelas ruas de São Paulo. No ambiente escuro e avermelhado da sala de revelação, via as imagens surgindo e se fixando sobre o papel fotográfico. Uma composição de cenas, contrastes e rostos que, pouco a pouco, se tornava concreta (e, às vezes, familiar) aos olhos de Therezinha.

A fotógrafa e laboratorista Rosangela Andrade e a mãe, Therezinha Motta Andrade; a dona de casa passou a acompanhar a filha para fotografar pelas ruas de São Paulo Foto: Tiago Queiroz/Estadão - 13/05/22

“A ideia foi criar uma espécie de jogo da memória com as fotos reveladas”, diz Rosangela. “Não bastava encontrar a mesma imagem sobre a mesa cheia de cenas; pedia para ela ir falando quem eram as pessoas. Foi uma tentativa de manter minha mãe mais tempo entre nós”, diz a fotógrafa. 

Continua após a publicidade

Encontrar formas de sustentar a memória viva e funcional é o desafio criativo que move milhares de cientistas, médicos e familiares de pacientes com Alzheimer ao redor do mundo. Assim, como desenvolver métodos de detecção precoce da doença degenerativa que afeta as mais nobres funções cerebrais, como memória, comportamento, linguagem, raciocínio, entre outras. 

No Brasil, há cerca de 1,2 milhão de pessoas com a doença (a maior parte sem diagnóstico), segundo dados do Ministério da Saúde. Novos exames de sangue, mais baratos que os recursos atuais, surgem como alternativa para auxiliar os médicos na confirmação do diagnóstico de Alzheimer, nos casos em que há dúvidas. 

Neste mês, a FDA aprovou nos Estados Unidos um teste para estimar os níveis de placas amiloides que se acumulam, em grandes quantidades, no cérebro de quem tem a doença. O exame é comercializado pela empresa Fujirebio. 

No Brasil, a Dasa acaba de lançar um produto semelhante. O exame procura identificar dois tipos da proteína beta-amiloide (a 40 e a 42), considerada um biomarcador da doença. Um dos principais atrativos é evitar a realização da punção lombar para coleta do liquor, procedimento necessário na minoria dos casos. Além de ser menos invasivo, o exame de sangue custa cerca de R$ 1,5 mil, um terço dos métodos de confirmação de diagnóstico disponíveis hoje. 

Será que é Alzheimer?

A perda de uma parcela dos neurônios faz parte do envelhecimento. Nos casos de demência, esse déficit é grande

Nota: * São apenas algumas alterações já identificadas pelos cientistas; ** Existem diferentes tipos de demência frontotemporal. Os sintomas podem variar

Fonte: National Institute on Aging

Apesar da corrida pela detecção precoce da doença, os médicos alertam que o diagnóstico do Alzheimer é complexo e continua a ser majoritariamente clínico. “Em cerca de 80% dos casos, o diagnóstico é feito a partir de um exame físico completo, da análise do histórico dopaciente, de exames de sangue para descartar outros problemas e da avaliação neuropsicológica, que serve para quantificar as queixas de memória”, diz o neurologista Ivan Okamoto, do Núcleo de Excelência em Memória do Hospital Israelita Albert Einstein.

“Não é correto dar a ideia de que o diagnóstico só pode ser feito com exames subsidiários e inacessíveis à maioria”, diz Okamoto. “Exames adicionais, como uma biópsia do liquor ou um exame de imagem (PET amiloide) para avaliar a formação de placas amiloides no cérebro, só são necessários quando restam dúvidas ou se a pessoa quer ter uma confirmação do diagnóstico por outro método. A acurácia desses exames é de, aproximadamente, 95%”, diz o neurologista.

Therezinha Motta Andrade recebeu o diagnóstico de Alzheimer há 13 anos Foto: Tiago Queiroz/Estadão - 13/05/22

“Para ter 100% de certeza, o único jeito é fazer uma análise do tecido cerebral após o falecimento”. O médico explica que os exames adicionais também podem ser úteis na fase de comprometimento cognitivo leve, após a qual o paciente pode ou não evoluir para a doença.

“Nessa fase pouco sintomática, é interessante utilizar os exames subsidiários para tentar caracterizar esse comprometimento cognitivo leve e saber se ele vai ou não evoluir para a doença”, diz Okamoto. Se não for o caso, a pessoa não precisa tomar remédios para Alzheimer e ficar exposta a efeitos colaterais como problemas cardíacos, gastrointestinais, entre outros.  

Nem tudo é demência

“Existe uma Alzhemerização das queixas de memória. Se alguém se esquece de pagar uma conta ou perde as chaves, já acham que a pessoa está com a doença e dá-lhe remédio”, diz o neurologista. “É muito mais fácil receitar um medicamento do que fazer um diagnóstico criterioso”, diz ele. 

Segundo os especialistas, não faz sentido correr aos laboratórios em busca dos exames na tentativa de descobrir características da doença uma ou duas décadas antes do aparecimento dos primeiros sintomas. Isso porque nem todo exame positivo significa que a pessoa terá a doença.

O Alzheimer é provocado pelo acúmulo da substância amiloide resultante do metabolismo. Produzimos essa substância diariamente e, durante o sono, ela é eliminada pelo sistema glinfático (formado pela glia, o conjunto de células responsáveis pelo suporte e nutrição dos neurônios, entre outras funções). 

Rosangela Andrade passou a ser acompanhada pela mãe para fotografar pelas ruas de São Paulo Foto: Tiago Queiroz/Estadão - 13/05/22

“Como essa limpeza é feita durante o sono, os estudos sugerem que o risco de Alzheimer é mais elevado em pessoas que dormem pouco ou mal”, diz Álvaro Pentagna, coordenador do departamento de neurologia do Hospital Vila Nova Star e do laboratório do sono do Hospital das Clínicas. Como prevenção da doença, os médicos recomendam as medidas clássicas (sono de qualidade, exercício físico, alimentação saudável, atividade intelectual prazerosa etc). 

“O acúmulo da substância amiloide acontece com todos nós ao longo da vida. Pessoas idosas podem apresentar graus elevados dela, mesmo sem ter a doença”, afirma. “Apesar das altas concentrações da substância, o cérebro de alguns indivíduos pode não ser impactado”. Daí a importância de não basear o diagnóstico apenas na detecção das placas.  

Déficit neuronal

A perda de uma parcela dos neurônios faz parte do envelhecimento. Nos casos patológicos, esse déficit é grande. Muitos neurônios deixam de funcionar, perdem a conexão com outras células do cérebro e podem morrer. No início da doença, os sintomas são leves e moderados, mas pioram com o passar do tempo. 

Além do Alzheimer, existem dezenas de outros tipos de demência (veja os principais no infográfico). Os sintomas são similares, mas podem variar de acordo com o indivíduo. Não há cura, mas existem alguns remédios. Na última década, eles pouco evoluíram. Os pacientes de Alzheimer são tratados principalmente com medicamentos como donepezila, galantamina, rivastigmina e memantina, disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS). O objetivoé controlar os sintomas e reduzir o ritmo de progressão da doença.

Estudos recentes adicionam novas peças ao grande quebra-cabeça que tenta explicar e conter a progressiva degeneração da memória. No ano passado, o grupo liderado pela cientista Heidi Jacobs, da Universidade Harvard, relacionou a má preservação de uma pequena estrutura localizada no tronco cerebral, chamada locuscoeruleus (“local azul”, em latim), ao desenvolvimento da doença. A descoberta foi possível a partir do mapeamento da bioquímica e da anatomia do cérebro de 174 pacientes, graças a equipamentos de ressonância magnética de alta resolução. 

Neste mês, cientistas da Universidade da Califórnia, em San Diego, conseguiram detectar uma enzima chamada PHGDH, relacionada ao Alzheimer, por meio de um exame de sangue. Níveis elevados da enzina representam um sinal de alerta, segundo o estudo publicado na revista científica Cell Metabolism. 

Desafios da convivência

Enquanto a ciência avança, os pacientes e seus familiares enfrentam os desafios de convivência com o Alzheimer. “Essa doença faz com que a família se desmanche”, diz a fotógrafa Rosangela. “Companheiros abandonam os pacientes e há cobrança entre os irmãos porque alguns se eximem da responsabilidade”. Rosangela e Rosemary, duas dos quatro filhos vivos de Therezinha, assumiram o acompanhamento da mãe no Centro de Referência em Distúrbios Cognitivos (Ceredic), do Hospital das Clínicas, e todos os cuidados. 

Um pouco antes do início da pandemia, a doença começou a se agravar e Therezinha foi transferida para um residencial de idosos. “Minha mãe não esquece meu nome, mas sinto que virei um personagem para ela: sou a pessoa que cuida. Às vezes, está agitada e não sabe que sou a filha. Percebi que tinha que entrar na dela para não sofrer mais com isso”, diz Rosangela.

Enquanto a ciência avança, os pacientes e seus familiares enfrentam os desafios de convivência com o Alzheimer Foto: Tiago Queiroz/Estadão - 13/05/22

Na juventude, Therezinha participava de programas de rádio e ainda adora música. “Acho que é a última memória que se vai”, diz a fotógrafa. A mãe reconhece as músicas de Roberto Carlos e reage cantando. Como dois e dois resiste. 

Onde encontrar o PET amiloide

Quando o exame de imagem específico é necessário para confirmação do diagnóstico, o custo não é o único empecilho. Difícil mesmo é encontrar onde fazer o PET amiloide. Até o início do mês, o Instituto de Radiologia do Hospital das Clínicas (InRad) era o único a fornecer o exame em São Paulo. Isso porque a avaliação depende da produção de um isótopo radioativo, com duração de apenas vinte minutos.

Produzido em um acelerador de partículas na própria instituição, ele é rapidamente levado à sala onde o paciente aguarda na máquina que faz a tomografia por emissão de pósitrons (PET). “Muito mais importante que confirmar o Alzheimer, é afastar esse diagnóstico”, diz Carlos Alberto Buchpiguel, diretor do centro de medicina nuclear do InRad. 

O exame não é oferecido pelo SUS, mas pacientes do sistema público conseguem realizá-lo, graças ao subsídio do projeto Cíclotron, que permitiu a produção de radiofármacos em regime industrial dentro do complexo do HC. Além do SUS, o InRad recebe pacientes de hospitais privados, como Einstein e Vila Nova Star, e cobra cerca de R$ 4,5 mil.

Recentemente, a empresa R2IBF fez uma associação com um laboratório na Alemanha e começou a produzir em Porto Alegre um radioisótopo para a realização do PET amiloide. A meia vida mais longa (duas horas) permite que hospitais localizados nas regiões sul e sudeste também ofereçam o exame. A produção é fruto de uma parceria da empresa com o Instituto do Cérebro da PUC do Rio Grande do Sul.

Encontrou algum erro? Entre em contato

‘O Alzheimer faz com que a família se desmanche’: leia relato de fotógrafa que cuida da mãe doente

Rosangela cuida da mãe Therezinha diagnosticada com a doença há 13 anos. Ela relata o processo de adaptação a que a família teve de se submeter

Cristiane Segatto - O Estado de S.Paulo

Encontrar formas de sustentar a memória viva e funcional é o desafio criativo que move milhares de cientistas, médicos e familiares de pacientes com Alzheimer ao redor do mundo. A fotógrafa e laboratorista Rosangela Andrade conta por que decidiu colocar uma câmera nas mãos da sua mãe, Therezinha Motta Andrade, de 87 anos, diagnosticada com Alzheimer há 13 anos, e percorrer as ruas de São Paulo.

O Estadão abordou nesta semana novos métodos de detecção precoce da doença degenerativa que afeta as mais nobres funções cerebrais, como memória, comportamento, linguagem, raciocínio, entre outras. Leia o depoimento de Rosangela e veja o vídeo que retrata a experiência da família. Ele faz parte do projeto “Alzheimer é possível”, concebido pela psicóloga Fernanda Gouveia-Paulino, professora da PUC-SP.

A fotógrafa e laboratorista Rosangela Andrade acompanha o tratamento da mãe, Therezinha Motta Andrade Foto: TIAGO QUEIROZ / ESTADÃO

Continua após a publicidade

“Comecei a notar que algo não estava bem com minha mãe quando ela tinha 74 anos e morava em um condomínio em Itatiba (SP). Toda vez que ia visitá-la observava que os móveis estavam em um lugar diferente. O marido tinha que arrastar os armários com frequência. Chegou ao ponto em que os móveis começaram a quebrar de tanto serem arrastados. 

 

 

Ela também começou a esquecer de onde havia colocado as coisas e não se lembrava das compras que havia feito. Comprava a mesma peça de roupa mais de uma vez. Minha mãe começou a sofrer com essa situação. 

Sempre fui uma filha muito presente na vida dela. Aos finais de semana, levava carne e deixava no freezer para que eles cozinhassem ao longo da semana. Um dia percebi que ela havia descongelado tudo de uma vez. 

 

 

Essas coisas começaram a provocar discussões insanas. Achava que bastava pontuar os problemas e ela iria entender. Ledo engano. Quando a levamos ao geriatra e ao neurologista, ela não conseguia responder testes que, para ela, pareciam fáceis. Foi ficando cada vez mais irritada com os esquecimentos, mas tinha momentos de lucidez. 

Minha mãe havia perdido um filho cerca de 8 anos antes dos primeiros sinais do Alzheimer. Talvez esse estresse emocional e uma possível depressão não diagnosticada possam ter desencadeado a doença. 

'Resolvi dar uma câmera para ela quando saíamos para a rua. Com outra câmera, eu registrava os momentos em que ela fotografava', relembra Rosangela Foto: TIAGO QUEIROZ / ESTADÃO

O Alzheimer faz com que a família se desmanche. Um pouco depois do diagnóstico, o marido resolveu abandoná-la. Minha mãe teve seis filhos (dois já falecidos). Dos quatro, só eu e minha irmã Rosemary cuidamos dela. 

Minha mãe começou a tomar todo tempo da minha vida. Meu casamento também acabou. Como sou fotógrafa, comecei a levar minha mãe ao laboratório. Assim eu podia trabalhar, sem descuidar dela. 

Percebi que ela se interessava pelo meu trabalho. Gostava de ficar na sala escura, só com a luz vermelha, onde eu revelava as fotos. Dizia que descansava a vista. Resolvi dar uma câmera para ela quando saíamos para a rua. Com outra câmera, eu registrava os momentos em que ela fotografava. 

A ideia foi criar um jogo da memória com as fotos reveladas. Não bastava encontrar a mesma imagem sobre a mesa cheia de cenas. Eu pedia para ela ir falando quem eram as pessoas. Foi uma tentativa de manter minha mãe mais tempo entre nós.

Será que é Alzheimer?

A perda de uma parcela dos neurônios faz parte do envelhecimento. Nos casos de demência, esse déficit é grande

Nota: * São apenas algumas alterações já identificadas pelos cientistas; ** Existem diferentes tipos de demência frontotemporal. Os sintomas podem variar

Fonte: National Institute on Aging

Alguns meses antes da pandemia, no final de 2019, as coisas começaram a degringolar e tivemos que colocá-la em um residencial. Ela começou a perder peso e só depois percebi que o lugar era péssimo. Os familiares precisam ter muito cuidado ao fazer a escolha. Ela foi transferida para um lugar bem melhor. Os medicamentos ajudam, mas de nada adiantam se não houver amor e atenção. 

Minha mãe está com 87 anos. Virei uma personagem para ela. Sou a pessoa que cuida. Às vezes, não sabe que sou a filha dela. Em outros dias, está agitada. Percebi que eu tenho que entrar na dela. Não vou mais sofrer com isso. Se ela diz que sou Nossa Senhora de Fátima, não nego. 

'Minha mãe está com 87 anos. Virei uma personagem para ela. Sou a pessoa que cuida. Às vezes, não sabe que sou a filha dela. Em outros dias, está agitada', conta Rosangela Foto: TIAGO QUEIROZ / ESTADÃO

Mesmo assim, ela me deu uma grande lição recentemente. Quando eu disse que tinha ido vê-la só para dizer que a amo muito, ela respondeu: “Problema seu”. Fiquei pensando que esse é um ensinamento precioso. O sentimento que temos por alguém é problema nosso mesmo. 

Ela adora música. Quando jovem cantava em programas de rádio. Não se esquece de algumas letras do Roberto Carlos. Acho que a música é a última memória que se vai”. 

Tudo o que sabemos sobre:

Alzheimer: novos exames de sangue auxiliam na confirmação do diagnóstico

No Brasil, há cerca de 1,2 milhão de pessoas com a doença, segundo dados do Ministério da Saúde

Cristiane Segatto - O Estado de S.Paulo

Desde que a mãe recebeu o diagnóstico de Alzheimer, há 13 anos, a fotógrafa e laboratorista Rosangela Andrade lida com a situação a partir de um ponto de vista moldado pelo próprio ofício. Para ela, uma pessoa que não registra as coisas não pode ter memória. A partir dessa perspectiva, ela decidiu ensinar Therezinha Motta Andrade, de 87 anos, a fotografar.

Com uma câmera na mão, a dona de casa passou a acompanhar a filha nas andanças pelas ruas de São Paulo. No ambiente escuro e avermelhado da sala de revelação, via as imagens surgindo e se fixando sobre o papel fotográfico. Uma composição de cenas, contrastes e rostos que, pouco a pouco, se tornava concreta (e, às vezes, familiar) aos olhos de Therezinha.

A fotógrafa e laboratorista Rosangela Andrade e a mãe, Therezinha Motta Andrade; a dona de casa passou a acompanhar a filha para fotografar pelas ruas de São Paulo Foto: Tiago Queiroz/Estadão - 13/05/22

“A ideia foi criar uma espécie de jogo da memória com as fotos reveladas”, diz Rosangela. “Não bastava encontrar a mesma imagem sobre a mesa cheia de cenas; pedia para ela ir falando quem eram as pessoas. Foi uma tentativa de manter minha mãe mais tempo entre nós”, diz a fotógrafa. 

Continua após a publicidade

Encontrar formas de sustentar a memória viva e funcional é o desafio criativo que move milhares de cientistas, médicos e familiares de pacientes com Alzheimer ao redor do mundo. Assim, como desenvolver métodos de detecção precoce da doença degenerativa que afeta as mais nobres funções cerebrais, como memória, comportamento, linguagem, raciocínio, entre outras. 

No Brasil, há cerca de 1,2 milhão de pessoas com a doença (a maior parte sem diagnóstico), segundo dados do Ministério da Saúde. Novos exames de sangue, mais baratos que os recursos atuais, surgem como alternativa para auxiliar os médicos na confirmação do diagnóstico de Alzheimer, nos casos em que há dúvidas. 

Neste mês, a FDA aprovou nos Estados Unidos um teste para estimar os níveis de placas amiloides que se acumulam, em grandes quantidades, no cérebro de quem tem a doença. O exame é comercializado pela empresa Fujirebio. 

No Brasil, a Dasa acaba de lançar um produto semelhante. O exame procura identificar dois tipos da proteína beta-amiloide (a 40 e a 42), considerada um biomarcador da doença. Um dos principais atrativos é evitar a realização da punção lombar para coleta do liquor, procedimento necessário na minoria dos casos. Além de ser menos invasivo, o exame de sangue custa cerca de R$ 1,5 mil, um terço dos métodos de confirmação de diagnóstico disponíveis hoje. 

Será que é Alzheimer?

A perda de uma parcela dos neurônios faz parte do envelhecimento. Nos casos de demência, esse déficit é grande

Nota: * São apenas algumas alterações já identificadas pelos cientistas; ** Existem diferentes tipos de demência frontotemporal. Os sintomas podem variar

Fonte: National Institute on Aging

Apesar da corrida pela detecção precoce da doença, os médicos alertam que o diagnóstico do Alzheimer é complexo e continua a ser majoritariamente clínico. “Em cerca de 80% dos casos, o diagnóstico é feito a partir de um exame físico completo, da análise do histórico dopaciente, de exames de sangue para descartar outros problemas e da avaliação neuropsicológica, que serve para quantificar as queixas de memória”, diz o neurologista Ivan Okamoto, do Núcleo de Excelência em Memória do Hospital Israelita Albert Einstein.

“Não é correto dar a ideia de que o diagnóstico só pode ser feito com exames subsidiários e inacessíveis à maioria”, diz Okamoto. “Exames adicionais, como uma biópsia do liquor ou um exame de imagem (PET amiloide) para avaliar a formação de placas amiloides no cérebro, só são necessários quando restam dúvidas ou se a pessoa quer ter uma confirmação do diagnóstico por outro método. A acurácia desses exames é de, aproximadamente, 95%”, diz o neurologista.

Therezinha Motta Andrade recebeu o diagnóstico de Alzheimer há 13 anos Foto: Tiago Queiroz/Estadão - 13/05/22

“Para ter 100% de certeza, o único jeito é fazer uma análise do tecido cerebral após o falecimento”. O médico explica que os exames adicionais também podem ser úteis na fase de comprometimento cognitivo leve, após a qual o paciente pode ou não evoluir para a doença.

“Nessa fase pouco sintomática, é interessante utilizar os exames subsidiários para tentar caracterizar esse comprometimento cognitivo leve e saber se ele vai ou não evoluir para a doença”, diz Okamoto. Se não for o caso, a pessoa não precisa tomar remédios para Alzheimer e ficar exposta a efeitos colaterais como problemas cardíacos, gastrointestinais, entre outros.  

Nem tudo é demência

“Existe uma Alzhemerização das queixas de memória. Se alguém se esquece de pagar uma conta ou perde as chaves, já acham que a pessoa está com a doença e dá-lhe remédio”, diz o neurologista. “É muito mais fácil receitar um medicamento do que fazer um diagnóstico criterioso”, diz ele. 

Segundo os especialistas, não faz sentido correr aos laboratórios em busca dos exames na tentativa de descobrir características da doença uma ou duas décadas antes do aparecimento dos primeiros sintomas. Isso porque nem todo exame positivo significa que a pessoa terá a doença.

O Alzheimer é provocado pelo acúmulo da substância amiloide resultante do metabolismo. Produzimos essa substância diariamente e, durante o sono, ela é eliminada pelo sistema glinfático (formado pela glia, o conjunto de células responsáveis pelo suporte e nutrição dos neurônios, entre outras funções). 

Rosangela Andrade passou a ser acompanhada pela mãe para fotografar pelas ruas de São Paulo Foto: Tiago Queiroz/Estadão - 13/05/22

“Como essa limpeza é feita durante o sono, os estudos sugerem que o risco de Alzheimer é mais elevado em pessoas que dormem pouco ou mal”, diz Álvaro Pentagna, coordenador do departamento de neurologia do Hospital Vila Nova Star e do laboratório do sono do Hospital das Clínicas. Como prevenção da doença, os médicos recomendam as medidas clássicas (sono de qualidade, exercício físico, alimentação saudável, atividade intelectual prazerosa etc). 

“O acúmulo da substância amiloide acontece com todos nós ao longo da vida. Pessoas idosas podem apresentar graus elevados dela, mesmo sem ter a doença”, afirma. “Apesar das altas concentrações da substância, o cérebro de alguns indivíduos pode não ser impactado”. Daí a importância de não basear o diagnóstico apenas na detecção das placas.  

Déficit neuronal

A perda de uma parcela dos neurônios faz parte do envelhecimento. Nos casos patológicos, esse déficit é grande. Muitos neurônios deixam de funcionar, perdem a conexão com outras células do cérebro e podem morrer. No início da doença, os sintomas são leves e moderados, mas pioram com o passar do tempo. 

Além do Alzheimer, existem dezenas de outros tipos de demência (veja os principais no infográfico). Os sintomas são similares, mas podem variar de acordo com o indivíduo. Não há cura, mas existem alguns remédios. Na última década, eles pouco evoluíram. Os pacientes de Alzheimer são tratados principalmente com medicamentos como donepezila, galantamina, rivastigmina e memantina, disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS). O objetivoé controlar os sintomas e reduzir o ritmo de progressão da doença.

Estudos recentes adicionam novas peças ao grande quebra-cabeça que tenta explicar e conter a progressiva degeneração da memória. No ano passado, o grupo liderado pela cientista Heidi Jacobs, da Universidade Harvard, relacionou a má preservação de uma pequena estrutura localizada no tronco cerebral, chamada locuscoeruleus (“local azul”, em latim), ao desenvolvimento da doença. A descoberta foi possível a partir do mapeamento da bioquímica e da anatomia do cérebro de 174 pacientes, graças a equipamentos de ressonância magnética de alta resolução. 

Neste mês, cientistas da Universidade da Califórnia, em San Diego, conseguiram detectar uma enzima chamada PHGDH, relacionada ao Alzheimer, por meio de um exame de sangue. Níveis elevados da enzina representam um sinal de alerta, segundo o estudo publicado na revista científica Cell Metabolism. 

Desafios da convivência

Enquanto a ciência avança, os pacientes e seus familiares enfrentam os desafios de convivência com o Alzheimer. “Essa doença faz com que a família se desmanche”, diz a fotógrafa Rosangela. “Companheiros abandonam os pacientes e há cobrança entre os irmãos porque alguns se eximem da responsabilidade”. Rosangela e Rosemary, duas dos quatro filhos vivos de Therezinha, assumiram o acompanhamento da mãe no Centro de Referência em Distúrbios Cognitivos (Ceredic), do Hospital das Clínicas, e todos os cuidados. 

Um pouco antes do início da pandemia, a doença começou a se agravar e Therezinha foi transferida para um residencial de idosos. “Minha mãe não esquece meu nome, mas sinto que virei um personagem para ela: sou a pessoa que cuida. Às vezes, está agitada e não sabe que sou a filha. Percebi que tinha que entrar na dela para não sofrer mais com isso”, diz Rosangela.

Enquanto a ciência avança, os pacientes e seus familiares enfrentam os desafios de convivência com o Alzheimer Foto: Tiago Queiroz/Estadão - 13/05/22

Na juventude, Therezinha participava de programas de rádio e ainda adora música. “Acho que é a última memória que se vai”, diz a fotógrafa. A mãe reconhece as músicas de Roberto Carlos e reage cantando. Como dois e dois resiste. 

Onde encontrar o PET amiloide

Quando o exame de imagem específico é necessário para confirmação do diagnóstico, o custo não é o único empecilho. Difícil mesmo é encontrar onde fazer o PET amiloide. Até o início do mês, o Instituto de Radiologia do Hospital das Clínicas (InRad) era o único a fornecer o exame em São Paulo. Isso porque a avaliação depende da produção de um isótopo radioativo, com duração de apenas vinte minutos.

Produzido em um acelerador de partículas na própria instituição, ele é rapidamente levado à sala onde o paciente aguarda na máquina que faz a tomografia por emissão de pósitrons (PET). “Muito mais importante que confirmar o Alzheimer, é afastar esse diagnóstico”, diz Carlos Alberto Buchpiguel, diretor do centro de medicina nuclear do InRad. 

O exame não é oferecido pelo SUS, mas pacientes do sistema público conseguem realizá-lo, graças ao subsídio do projeto Cíclotron, que permitiu a produção de radiofármacos em regime industrial dentro do complexo do HC. Além do SUS, o InRad recebe pacientes de hospitais privados, como Einstein e Vila Nova Star, e cobra cerca de R$ 4,5 mil.

Recentemente, a empresa R2IBF fez uma associação com um laboratório na Alemanha e começou a produzir em Porto Alegre um radioisótopo para a realização do PET amiloide. A meia vida mais longa (duas horas) permite que hospitais localizados nas regiões sul e sudeste também ofereçam o exame. A produção é fruto de uma parceria da empresa com o Instituto do Cérebro da PUC do Rio Grande do Sul.

Encontrou algum erro? Entre em contato

‘O Alzheimer faz com que a família se desmanche’: leia relato de fotógrafa que cuida da mãe doente

Rosangela cuida da mãe Therezinha diagnosticada com a doença há 13 anos. Ela relata o processo de adaptação a que a família teve de se submeter

Cristiane Segatto - O Estado de S.Paulo

Encontrar formas de sustentar a memória viva e funcional é o desafio criativo que move milhares de cientistas, médicos e familiares de pacientes com Alzheimer ao redor do mundo. A fotógrafa e laboratorista Rosangela Andrade conta por que decidiu colocar uma câmera nas mãos da sua mãe, Therezinha Motta Andrade, de 87 anos, diagnosticada com Alzheimer há 13 anos, e percorrer as ruas de São Paulo.

O Estadão abordou nesta semana novos métodos de detecção precoce da doença degenerativa que afeta as mais nobres funções cerebrais, como memória, comportamento, linguagem, raciocínio, entre outras. Leia o depoimento de Rosangela e veja o vídeo que retrata a experiência da família. Ele faz parte do projeto “Alzheimer é possível”, concebido pela psicóloga Fernanda Gouveia-Paulino, professora da PUC-SP.

A fotógrafa e laboratorista Rosangela Andrade acompanha o tratamento da mãe, Therezinha Motta Andrade Foto: TIAGO QUEIROZ / ESTADÃO

Continua após a publicidade

“Comecei a notar que algo não estava bem com minha mãe quando ela tinha 74 anos e morava em um condomínio em Itatiba (SP). Toda vez que ia visitá-la observava que os móveis estavam em um lugar diferente. O marido tinha que arrastar os armários com frequência. Chegou ao ponto em que os móveis começaram a quebrar de tanto serem arrastados. 

 

 

Ela também começou a esquecer de onde havia colocado as coisas e não se lembrava das compras que havia feito. Comprava a mesma peça de roupa mais de uma vez. Minha mãe começou a sofrer com essa situação. 

Sempre fui uma filha muito presente na vida dela. Aos finais de semana, levava carne e deixava no freezer para que eles cozinhassem ao longo da semana. Um dia percebi que ela havia descongelado tudo de uma vez. 

 

 

Essas coisas começaram a provocar discussões insanas. Achava que bastava pontuar os problemas e ela iria entender. Ledo engano. Quando a levamos ao geriatra e ao neurologista, ela não conseguia responder testes que, para ela, pareciam fáceis. Foi ficando cada vez mais irritada com os esquecimentos, mas tinha momentos de lucidez. 

Minha mãe havia perdido um filho cerca de 8 anos antes dos primeiros sinais do Alzheimer. Talvez esse estresse emocional e uma possível depressão não diagnosticada possam ter desencadeado a doença. 

'Resolvi dar uma câmera para ela quando saíamos para a rua. Com outra câmera, eu registrava os momentos em que ela fotografava', relembra Rosangela Foto: TIAGO QUEIROZ / ESTADÃO

O Alzheimer faz com que a família se desmanche. Um pouco depois do diagnóstico, o marido resolveu abandoná-la. Minha mãe teve seis filhos (dois já falecidos). Dos quatro, só eu e minha irmã Rosemary cuidamos dela. 

Minha mãe começou a tomar todo tempo da minha vida. Meu casamento também acabou. Como sou fotógrafa, comecei a levar minha mãe ao laboratório. Assim eu podia trabalhar, sem descuidar dela. 

Percebi que ela se interessava pelo meu trabalho. Gostava de ficar na sala escura, só com a luz vermelha, onde eu revelava as fotos. Dizia que descansava a vista. Resolvi dar uma câmera para ela quando saíamos para a rua. Com outra câmera, eu registrava os momentos em que ela fotografava. 

A ideia foi criar um jogo da memória com as fotos reveladas. Não bastava encontrar a mesma imagem sobre a mesa cheia de cenas. Eu pedia para ela ir falando quem eram as pessoas. Foi uma tentativa de manter minha mãe mais tempo entre nós.

Será que é Alzheimer?

A perda de uma parcela dos neurônios faz parte do envelhecimento. Nos casos de demência, esse déficit é grande

Nota: * São apenas algumas alterações já identificadas pelos cientistas; ** Existem diferentes tipos de demência frontotemporal. Os sintomas podem variar

Fonte: National Institute on Aging

Alguns meses antes da pandemia, no final de 2019, as coisas começaram a degringolar e tivemos que colocá-la em um residencial. Ela começou a perder peso e só depois percebi que o lugar era péssimo. Os familiares precisam ter muito cuidado ao fazer a escolha. Ela foi transferida para um lugar bem melhor. Os medicamentos ajudam, mas de nada adiantam se não houver amor e atenção. 

Minha mãe está com 87 anos. Virei uma personagem para ela. Sou a pessoa que cuida. Às vezes, não sabe que sou a filha dela. Em outros dias, está agitada. Percebi que eu tenho que entrar na dela. Não vou mais sofrer com isso. Se ela diz que sou Nossa Senhora de Fátima, não nego. 

'Minha mãe está com 87 anos. Virei uma personagem para ela. Sou a pessoa que cuida. Às vezes, não sabe que sou a filha dela. Em outros dias, está agitada', conta Rosangela Foto: TIAGO QUEIROZ / ESTADÃO

Mesmo assim, ela me deu uma grande lição recentemente. Quando eu disse que tinha ido vê-la só para dizer que a amo muito, ela respondeu: “Problema seu”. Fiquei pensando que esse é um ensinamento precioso. O sentimento que temos por alguém é problema nosso mesmo. 

Ela adora música. Quando jovem cantava em programas de rádio. Não se esquece de algumas letras do Roberto Carlos. Acho que a música é a última memória que se vai”. 

Tudo o que sabemos sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

Atualizamos nossa política de cookies

Ao utilizar nossos serviços, você aceita a política de monitoramento de cookies.