Raphael Alves/ EFE
Raphael Alves/ EFE

Amazonas: acordo prevê divisão igual de oxigênio para hospitais de Manaus e do interior

Governo estadual chegou a sugerir à prefeitura que abrisse valas; Ministério Público participou da discussão sobre rateio

Liege Albuquerque, Especial para o Estadão

18 de janeiro de 2021 | 09h00

MANAUS - Uma reunião neste domingo, 17, entre membros do governo do Amazonas, promotores de comarcas do interior e técnicos da White Martins, única fabricante de oxigênio no Estado, fechou termo de compromisso sobre a distribuição local do insumo. Todo o gás que chegar em Manaus - do Ministério da Saúde, comprado pelo governo, produzido no Estado ou vindo de doações - será dividido de forma equânime com capital e interior.

Na semana passada, o governo estadual chegou a sugerir à prefeitura de Itacoatiara, a 269 quilômetros da capital, a abertura de valas, diante da dificuldade de enviar oxigênio. Nos hospitais do interior, os relatos eram de sobrecarga e uso até de aparelhos de inalação para ajudar pacientes.

“Todas as entradas de oxigênio deverão ser disponibilizadas em um site com acesso a todos nós, e também sugerimos que seja aberto à imprensa”, defendeu o promotor de Justiça Carlos Firmino, das comarcas de Autazes e Urucará, municípios a cerca de 300 quilômetros de Manaus.

Neste domingo, o governo estadual prorrogou decreto que determina lockdown no comércio e toque de recolher entre 19h e 6 horas até 31 de janeiro em todos os 62 municípios do Amazonas. Só podem funcionar serviços considerados essenciais, como supermercados e farmácias.

A promotora de Manacapuru (a 100 quilômetros de Manaus), Lilian Almeida, disse que a escassez do oxigênio no município continua e muitos internados correm risco de vida. “Segundo o compromisso assumido, esse mecanismo de controle deverá garantir prioridade especialmente às cidades que são polos, como Manacapuru (que atendem diversos municípios onde o acesso é apenas de barco ou canoa). Foi uma evolução mínima esse termo de compromisso, mas precisamos continuar cobrando”.

Segundo a Secretaria de Saúde do Amazonas, o montante que efetivamente de oxigênio que chegou ao Amazonas desde o dia 14 de janeiro até esse sábado, 16 equivale a 866 cilindros de 10 metros cúbicos, de forma líquida e gasosa. Na madrugada de domingo chegaram  70 mil metros cúbicos de oxigênio líquido que, segundo a Susam, “será distribuído entre unidades da capital e interior do Estado, conforme necessidade de estoque de cada unidade”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.