Americanos criam as 'mais realistas' pernas mecânicas já vistas

Robô simula sistema que controla e envia impulsos neurais e faz o corpo humano andar

BBC

06 Julho 2012 | 13h33

 

Cientistas americanos desenvolveram as pernas mecânicas mais parecidas com os membros humanos já criada. Segundo os resultados dos testes, publicados no Journal of Neural Engineering, o trabalho deve ajudar a compreender como os bebês aprendem a andar e abrir portas para novos estudos sobre tratamentos de lesões na espinha dorsal.

 

A equipe da Universidade do Arizona, dos Estados Unidos, critou uma versão do sistema que gera sinais aos músculos e controla as pernas e o ato de andar. Eles replicaram o gerador central de padrões (GCP), uma rede de neurônios na região lombar da espinha dorsal que coordena esses sinais.

 

O GCP produz, e então controla, esses sinais ao reunir informações das diferentes partes do corpo envolvidas no ato de andar, respondendo às condições externas ao corpo - se é uma subida ou se há um degrau, por exemplo. É esse sistema que permite que andemos autoticamente, sem pensar no que estamos fazendo.

 

A forma mais simples do GCP é composta por apenas dois neurônios que emitem sinais alternadamente e em ritmo, e por dois sensores que captam e enviam informações ao sistema. Os pesquisadores acreditam que os bebês começam a caminhar só com essa estrutura e ao longo do tempo desenvolvem mais complexidade.

 

"Esse robô representa um modelo completo ou 'neurorrobótico' do sistema, demonstrando a utilidade desse tipo de pesquisa para estudar os processos neuropsicológicos por trás do movimento de humanos e animais", escreveram os pesquisadores na publicação.

 

Segundo Theresa Klein, que faz parte da equipe, o robô reproduz a caminhada de um humano com o sistema simples de dois neurônios e dois receptores. "Essa rede também deve formar o núcleo do GCP e pode explicar como pessoas com lesões na espinha dorsal podem retomar a capacidade de andar se estimuladas da forma correta", avalia. 

Mais conteúdo sobre:
pernas mecânicas membros ciência robô vida

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.