É preciso manter a população informada sobre a microcefalia

'Ações devem simultaneamente evitar novos casos e tratar o que for possível; o pior que um governo pode fazer é sonegar informações'

Maria Cristina Amorim, O Estado de S.Paulo

25 Novembro 2015 | 03h00

O Estado brasileiro tem muita experiência com o controle de doenças que atingem rapidamente determinadas populações, desde o tempo de Osvaldo Cruz. Historicamente, a estrutura governamental reage bem, está agindo adequadamente agora. Mas há uma recomendação: dar maior visibilidade às ações de controle e assistência e manter a população informada sobre a situação - medidas como estas reduzem a chance de pânico e aumentam a eficácia das ações.

É muito difícil tecer comparações internacionais quanto ao “tempo de reação” a um evento desta natureza. De todo modo, 739 casos é número grande, significa que o problema já está instalado e, portanto, as ações devem simultaneamente evitar novos casos e tratar o que for possível. O pior que um governo pode fazer é sonegar informações e inevitavelmente deixar que a “rede escândalo” tome o espaço, com notícias falsas ou distorcidas. Situações de crise devem ser enfrentadas com serenidade e transparência. Informar não é alimentar o pânico. A ação governamental não pode se limitar a alertar para os riscos de gravidez, mas informar aos cidadãos que os riscos aumentaram muito.

Neste contexto de crise econômica e redução drástica de despesas governamentais, o que mais preocupa é que burocratas de plantão não tenham sensibilidade para compreender a gravidade da situação, tratem os inevitáveis gastos extras como “despesas não planejadas” e obstruam ou atrasem as ações dos profissionais de saúde.

MARIA CRISTINA AMORIM É ECONOMISTA, PROFESSORA TITULAR DA PUC-SP E PESQUISADORA EM SAÚDE

Mais conteúdo sobre:
Osvaldo Cruz

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.