Kim Kyung-Hoon/File Photo/Reuters
Kim Kyung-Hoon/File Photo/Reuters

Análise: Prioridade é saber onde o vírus está; e só a ciência o encontrará

Se a testagem em massa no curto prazo parece impossível, no médio talvez seja a única alternativa para evitar uma hecatombe social e econômica. O motivo é simples: sem saber onde está o inimigo, essa guerra pode durar bem mais

Stevens Rehen*, O Estado de S.Paulo

19 de março de 2020 | 06h00

Hoje, o mundo inteiro só tem dois objetivos: reduzir o número de mortes causadas pelo novo coronavírus e, o mais brevemente possível, se tudo correr bem, desenvolver a cura, uma vacina, um tratamento, um novo antiviral...

Só que o diabo mora nos detalhes.

Entre o objetivo um – reduzir mortes – e o dois – a cura –, há um longo caminho. Que poderá ser longo demais se não soubermos desde já onde o vírus está, em quem e por quanto tempo. 

Além de (muito) recurso para a saúde, é preciso dinheiro para a ciência. É preciso desenvolver testes diagnósticos rápidos e em quantidade continental.

O consenso atual é que seria impossível fazer testagem em massa a curto prazo, mas a médio prazo talvez seja a única alternativa para evitar uma hecatombe social e econômica sem precedentes. 

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
O motivo é “simples”. Sem saber onde está o inimigo, essa guerra poderá durar bem mais do que imaginamos
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313

E “achatar a curva”, como muitos têm preconizado, não irá resolver sozinha a questão. Distribuindo o número de casos ao longo do tempo, o sistema de saúde permanecerá sobrecarregado por meses. 

John Ioannidis, pesquisador da Universidade Stanford, alertou que nos hospitais lotados, o risco de morrer pelas doenças mais comuns, como ataques cardíacos, derrames, traumas, sangramentos será enorme.

Para sair dessa encruzilhada, precisamos de informações sobre a atividade epidêmica, onde o vírus está, com quem, por quanto tempo. 

Sem esses dados, podemos até “achatar a curva”, mas não evitaremos a sobrecarga médica e, muito menos, saberemos até quando medidas de isolamento social e os bloqueios deverão ser mantidos. 

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Por quanto tempo aguentaremos em grupos isolados, sob estresse constante, sem contato físico, sem beijos e abraços? Imaginemos a saúde mental de milhões de pessoas confinadas por meses
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313

Precisamos de dados sobre a prevalência e incidência do coronavírus para tomar decisões.

Ioannidis fez seus cálculos a partir de um universo amostral definido – os turistas confinados no cruzeiro Diamond Princess, onde todos foram testados. A partir daí, estimou que o número de mortos nos Estados Unidos será de 1%.

Em termos globais, assumindo que 60% da população será infectada, estamos falando de mais de 40 milhões de óbitos, não distribuídos igualmente entre países pobres e ricos.

Seria como a volta da gripe espanhola, cem anos depois. 

Só que nesse século, a ciência evoluiu bastante e dela dependemos para reduzir os estragos e, sem exageros, salvar mais uma vez a humanidade.

Daqui a muitos meses ou alguns anos, surgirão medicamentos e vacinas para o coronavírus, mas não podemos esperar. É preciso buscar maneiras de tornar o coronavírus visível agora.

Nesta quarta, 18, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, fez um pronunciamento tecnicamente impecável, sobre as medidas a serem tomadas, mas reconheceu que seria irreal testar toda a população. Por outro lado, disse que sua equipe considera uma varredura das propostas para testagem do coronavírus enviadas ao ministério. 

Uma ideia complementar seria chamar o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações para a guerra. No twitter, as postagens recentes de Marcos Pontes foram sobre grafeno e ampliação da velocidade da banda larga (para combater o coronavírus). 

Sim, importante, mas precisamos localizar o vírus.

Nos últimos anos, a ciência brasileira foi mais sucateada do que nunca. Sem o mínimo de recursos, perdeu pessoal para o exterior. É imperativo reverter a situação. Afinal, todas as esperanças do mundo estão na ciência. A ciência trará as soluções, mas elas custam dinheiro. 

Nesse sentido, a Coreia do Sul é um exemplo a ser seguido. Seu programa de testes é o mais abrangente e organizado do mundo, combinando esforços para isolar pessoas infectadas, rastrear e colocar em quarentena aqueles com quem tiveram contato.

O Brasil tem quatro vezes a população da Coreia da Sul. Precisará de esforço inédito e ajuda de todos para se aproximar do que foi realizado naquele país. 

O MCTIC, através do CNPq e da Capes, poderia convocar universidades, institutos de pesquisa, laboratórios numa força tarefa nacional sem precedentes para a testagem em massa.

Há centenas de laboratórios brasileiros que dominam técnicas básicas de biologia molecular necessárias à realização de testes e desenvolvimento de novas estratégias de diagnóstico do coronavírus.

Roberto Medronho, professor da UFRJ, sugeriu a criação de hospitais de campanha organizados pelo Exército. Da mesma forma, poderiam ser criados "laboratórios de campanha” organizados pelo MCTIC, CNPq e Capes.

Esses laboratórios contariam com a mão de obra de pesquisadores e bolsistas das universidades e centros de pesquisa na busca pelo coronavírus no Brasil.

Com investimento e treinamento básico, essa rede de milhares de cientistas poderia aplicar testes com o objetivo de triagem e também nos locais de maior incidência de casos suspeitos. 

A contraprova, em menor número, continuaria, claro, com laboratórios e hospitais de referência.

Como disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus: “test, test, test”

* É PROFESSOR TITULAR DA UFRJ E CIENTISTA DO INSTITUTO D’OR DE PESQUISA E ENSINO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.