Ed Ferreira/Estadão
Ed Ferreira/Estadão

ANS suspende venda de 87 planos de saúde de 22 operadoras

Entre os motivos estão o não cumprimento dos prazos máximos de atendimento e negativas indevidas de cobertura

Mônica Ciarelli , O Estado de S. Paulo

18 Maio 2015 | 18h54

RIO - A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) suspendeu nesta segunda-feira, 18, a comercialização de 87 planos de saúde de 22 operadoras pelo não cumprimento dos prazos máximos de atendimento e por outras queixas, como negativas indevidas de cobertura. Veja lista dos planos suspensos

Das 22 operadoras com venda suspensa neste novo ciclo, 8 já tinham planos em suspensão no período anterior e 14 operadoras não constavam na última lista. Dessas, 11 terão a comercialização de planos suspensa pela primeira vez. A medida é preventiva e perdura até a divulgação do 14º ciclo.    

Nesta segunda, a autarquia informou ainda que decidiu liberar a comercialização de outros 34 planos de saúde que estávamos suspensos após ter comprovado a melhoria no atendimento ao cliente. 

Os dados fazem parte do 13º ciclo do Programa de Monitoramento da Garantia de Atendimento, que protege aproximadamente 3,2 milhões de clientes vinculados aos planos com comercialização suspensa. Segundo a ANS, sem a solução dos problemas assistenciais, as operadoras não podem receber novos clientes. 

Atualmente, o Brasil tem 50,8 milhões de consumidores com planos de assistência média e 21,4 milhões com planos exclusivamente odontológicos. 

"O Programa de Monitoramento da Garantia de Atendimento deve sempre acompanhar a evolução do setor de saúde suplementar e, dessa forma, manter-se como uma medida preventiva eficaz na proteção dos consumidores", avalia a diretora-presidente substituta da ANS, Martha Oliveira.  

Desde o início do programa, 1.099 planos de 154 operadoras já tiveram as vendas suspensas. Outros 924 planos voltaram ao mercado após comprovar melhorias no atendimento.

Mais conteúdo sobre:
ANS plano de saúde

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.