Anti-histamínicos viciam? Como evitar a dependência?

Alguns anti-histamínicos provocam sono e, por conseqüência, funcionam parcialmente como indutores de sono, ansiolíticos ou antidepressivos. Desta forma, podem ser usados de maneira indevida e causar dependência. Os anti-histamínicos mais antigos atravessam a barreira hemato-encefálica, têm ação central ou cerebral e podem causar sono e aumento de apetite. Já os mais modernos, chamados de inibidores do receptor de histamina, raramente provocam estes efeitos colaterais. Os anti-histamínicos que causam insônia geralmente são medicações associadas com pseudo-efedrina. Os pacientes que usam medicamentos de forma crônica devem ser investigados clínica e laboratorialmente para avaliar danos em órgãos que, por experiência médica, possam ser afetados. No caso de anti-histamínicos, o órgão mais afetado é o fígado, principalmente quando se associa um antimicótico oral ou alguns antibióticos, razão pela qual, recentemente, foi proibida a comercialização de alguns deles. O único meio de evitar dependência é tomar a medicação apenas durante o tempo determinado pelo médico. *alergologista do Hospital Israelita Albert Einstein

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.