Anticorpos do tubarão 'podem ajudar a combater o câncer'

Estudo australiano revela resistência do sistema imunológico do animal.

Phil Mercer, BBC

14 de outubro de 2008 | 08h30

Cientistas australianos descobriram que anticorpos no sangue de tubarão podem, potencialmente, ser uma arma poderosa no combate ao câncer. Os tubarões possuem um sistema imunológico semelhante ao humano, mas os seus anticorpos - moléculas que combatem doenças - são excepcionalmente resistentes.Os pesquisadores da Universidade La Trobe, de Melbourne, acreditam que podem aproveitar essa resistência para ajudar a tornar mais lento o desenvolvimento de doenças como o câncer, levando a uma nova geração de medicamentos.Ambientes ácidosOs tubarões foram escolhidos para a pesquisa por possuírem um forte sistema imunológico e por raramente serem suscetíveis a infecções.De acordo com a equipe de cientistas, os anticorpos dos tubarões resistem altas temperaturas e ambientes adversos, como os extremamente ácidos ou alcalinos.Isso significa que eles seriam capazes de sobreviver em um ambiente como o aparelho digestivo humano - condição importante para o desenvolvimento de um tratamento por meio de pílulas.O professor Mick Foley, da Universidade de La Trobe, afirmou que as moléculas do tubarão podem também se associar às células cancerígenas, detendo a sua disseminação. "As células realmente se multiplicam menos do que quando nós não adicionamos os anticorpos do tubarão ou adicionamos uma quantidade irrelevante", disse o cientista.Já existem evidências de que os anticorpos desse animal podem retardar a proliferação do câncer de mama. No entanto, há esperança também de que eles possam ser usados no tratamento de outras doenças, como malária e artrite reumatóide, uma doença inflamatória incurável que ataca as articulações . BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.