Antidepressivo ajuda a reduzir calores da menopausa, diz pesquisa

Segundo estudo, o antidepressivo Escitalopram ajudou a diminuir a frequência dos calores pela metade

Efe,

20 Janeiro 2011 | 10h17

WASHINGTON - O antidepressivo Escitalopram pode reduzir a frequência e os calores da menopausa, segundo um estudo governamental divulgado nesta quarta-feira, 19, pelo jornal da Associação Médica Americana.

 

A pesquisa se baseou em experiências em mais de 200 mulheres de meia-idade que tinham uma média de 10 ondas de calor por dia. Após oito semanas, as mulheres que tomaram o antidepressivo tiveram 5,25 ondas de calor por dia, enquanto as que tomaram placebo sofreram 6,5.

 

A diretora do estudo, Ellen W.Freeman, disse que as mulheres que tomaram o Escitalopram eram mais inclinadas a pensar que o tratamento era benéfico, de modo que a maioria delas manifestou seu desejo de continuar com a medicação.

 

Uma pessoa deprimida necessita tomar antidepressivos durante semanas ou meses para começar a ver resultados. No entanto, as mulheres que os tomam para aliviar os calores da menopausa notam as mudanças em cerca de uma semana.

 

Os antidepressivos são utilizados para tratar a depressão através do aumento dos níveis de serotonina no cérebro, mas por enquanto não está comprovado se ajudam a reduzir os calores típicos da menopausa.

 

Até o momento, o tratamento hormonal é o único aprovado pela Agência de Controle de Alimentos e Medicamentos (FDA) para aliviar os sintomas da menopausa.

 

No entanto, não se recomenda manter esse tratamento a longo prazo porque aumenta os riscos de a pessoa desenvolver doenças do coração, câncer de mama, e outros problemas associados à combinação de estrogênios com progesterona.

 

Além disso, a efetividade de remédios naturais para amenizar os sintomas da menopausa, como cimicifuga racemosa e óleo de onagra, é discutida. Alguns médicos prescrevem antidepressivos para reduzir os sintomas da menopausa, mas o fazem sem a aprovação da FDA.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.