Reprodução
Reprodução

Antiga cerveja africana continha antibiótico, mostra estudo

O grão usado para fazer a bebida fermentada continha a bactéria estreptomices

estadão.com.br, estadão.com.br

03 Setembro 2010 | 16h12

Uma análise química dos ossos de antigos núbios mostra que eles consumiam regularmente o antibiótico tetraciclina, muito provavelmente na cerveja. Os antibióticos, substâncias capazes de matar bactérias e conter infecções, foram descobertos cientificamente em 1928, com a penicilina.

 

A pesquisa, encabeçada pelo antropólogo George Armelagos da Universidade Emory e pelo químico Mark Nelson, da Paratek Pharmaceuticals, está publicada no American Journal of Physical Anthropology.

 

"Tendemos a associar drogas que curam doenças à medicina moderna", disse, em nota, Armelagos. "Mas está ficando cada vez mais claro que essa população pré-histórica estava usando evidência empírica para desenvolver agentes terapêuticos. Não tenho dúvida de que sabiam o que estavam fazendo".

Armelagos havia descoberto, em 1980, aparentes traços de tetraciclina em ossos humanos da Núbia, atual Sudão, datados de 350 a 550. Mais tarde, ele e colegas associaram a fonte do antibiótico à cerveja núbia.

 

O grão usado para fazer a bebida fermentada continha a bactéria estreptomices, que produz tetraciclina. A questão passou a ser determinar se a "contaminação" com antibiótico era acidental ou proposital.

 

Envolvendo-se na pesquisa, Nelson realizou um procedimento para extrair a tetraciclina dos ossos de antigos núbios mumificados. Segundo ele, os restos mortais estavam "saturados" do produto. "Estou convencido de que eles tinham a ciência da fermentação sob controle e estavam produzindo a droga de propósito".

 

Outros povos da época, como jordanianos e egípcios, também usavam cerveja para fins terapêuticos.

Mais conteúdo sobre:
antibiótico arquelogia cerveja

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.