TIAGO QUEIROZ / ESTADÃO 20/10/2021
TIAGO QUEIROZ / ESTADÃO 20/10/2021

Anvisa aprova dose de reforço da Pfizer contra o coronavírus para pessoas de 18 anos ou mais

De acordo com a agência, imunizante deve ser administrado seis meses após a aplicação da segunda dose

João Ker, O Estado de S.Paulo

24 de novembro de 2021 | 18h57

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou nesta quarta-feira, 24, que a Pfizer inclua a dose de reforço na bula da sua vacina contra o coronavírus. De acordo com o órgão, "as evidências científicas demonstram segurança e eficácia" na aplicação, recomendada para seis meses após a segunda dose, em pessoas de 18 anos ou mais. 

A indicação da Anvisa é para que a dose de reforço seja utilizada em esquema homólogo, isto é, em quem também tomou as duas primeiras doses da Pfizer. A agência justificou a decisão com base em "dados de estudos científicos que indicam a diminuição dos anticorpos neutralizantes", "evidências de diminuição de eficácia da vacina" e o surgimento de novas variantes, como a Delta.

A Pfizer ainda firmou um termo de compromisso com a agência para apresentar dados complementares solicitados pela Anvisa. Os principais pontos a serem esclarecidos são sobre eficácia, imunogenicidade e segurança da dose de reforço; plano de gerenciamento de risco; e efetividade e segurança de "vida real".

Os dados de segurança e eficácia da dose de reforço da Pfizer para o uso heterólogo, naqueles que foram imunizados com a vacina de outro fabricante, ainda não foram disponibilizados pela farmacêutica e nem avaliados pela Anvisa. 

Ainda na semana passada, a agência cobrou do Ministério da Saúde um posicionamento oficial sobre a decisão de anunciar a imunização de reforço em toda a população adulta do Brasil. Segundo o anúncio do ministro Marcelo Queiroga, a aplicação da dose de reforço pode ser feita em todo o País desde que o esquema vacinal tenha sido completado há, no mínimo, cinco meses.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.