Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Michael Dantas / AFP
Michael Dantas / AFP

Anvisa concede autorização emergencial para oxigênio com pureza menor ser distribuído em Manaus

Carregamentos de Guarulhos e da Venezuela começaram a chegar na capital do Amazonas nesta manhã, de acordo com a PGR

João Ker, O Estado de S.Paulo

15 de janeiro de 2021 | 14h12

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária concedeu autorização excepcional para que a White Martins, empresa que fornece oxigênio para o Amazonas, produzisse a substância com grau de pureza 95%, abaixo dos 99% habituais. A permissão foi dada na tarde da quinta-feira, 14, quando a capital Manaus registrou falta do produto em vários hospitais, o que causou a morte de pacientes do coronavírus por asfixia.  

A medida veio após um esforço conjunto de negociações entre a Procuradoria-Geral da República, o Ministério da Saúde, as Forças Armadas, além da Anvisa e da White Martins. Em nota, a PGR afirma que os primeiros carregamentos de oxigênio começaram a chegar em Manaus ainda na manhã desta sexta-feira, 15.

De acordo com o órgão, a White Martins “se comprometeu a viabilizar o fornecimento do produto por meio de carretas vindas da Venezuela”. Na noite de ontem, o presidente venezuelano Nicolás Maduro já havia autorizado a carga a sair do País. "Por instruções de Maduro, conversei com o governador do Amazonas, Wilson Lima, para colocar imediatamente à disposição o oxigênio necessário para atender a contingência sanitária em Manaus. Solidariedade latino-americana antes de tudo!", afirmou o chanceler chavista Jorge Arreaza, em suas redes sociais.

Outro carregamento com 4 mil metros cúbicos de oxigênio teria saído de Guarulhos, em São Paulo, na noite de quinta, com o apoio logístico das Forças Armadas. Em nota, a Anvisa confirmou que a autorização emergencial de oxigênio com 95% de pureza foi concedida para as unidades da rede estadual de Saúde do Amazonas pelo prazo de 180 dias, sob duas condições: que a pureza correta do produto fosse informada aos profissionais e serviços de saúde e que a distribuição cessasse “assim que a situação for normalizada”.

Pesquisadora da Faculdade de Engenharia Química da UNICAMP, Luisa Fernanda Rios Pinto explica que a taxa de pureza menor que a habitual não tem grandes efeitos negativos para a administração em humanos. “Normalmente, o oxigênio que respiramos já tem outros componentes, como o nitrogênio, que tiramos para deixá-lo mais puro. Na taxa de 95%, isso é tão minoritário que não vai influenciar muito na composição do que você está respirando.”

Luisa explica que geralmente as produções de oxigênio hospitalar são feitas pela purificação do ar que a gente respira, composto geralmente por 21% de oxigênio e, em proporção majoritária, 78% de nitrogênio, além de outros gases. "O que essas empresas fazem é fracionar o ar que a gente respira nos componentes desses gases. Geralmente, o hospitalar é 99,5% de pureza, mas os outros 5% são constituídos pelos gases que respiramos, como nitrogênio, argônio e outros menores, como o carbônico." 

A taxa de 95%, ela afirma, não chega a ser prejudicial. "Claro que não é tão puro, e tem essa impureza de 5%, mas são gases que a gente já respira e encontra na atmosfera."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.