Anvisa define sistema para rastrear remédios

Formato apresentado atende a todas as reivindicações da indústria farmacêutica

Lígia Formenti, de O Estado de S. Paulo,

08 de dezembro de 2011 | 23h33

BRASÍLIA - A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou as novas diretrizes do sistema para rastrear remédios no País. O formato apresentado atende a todas as reivindicações da indústria. Em vez de um polêmico selo, produzido pela Casa da Moeda, o acompanhamento será feito com a adoção de um código dimensional nas embalagens.

O rastreamento permite acompanhar a trajetória do remédio. Considerado importante para evitar roubo e falsificação, essa antiga reivindicação da indústria teve sua tecnologia definida em outubro de 2010 pela Anvisa.

Criticado pelo setor produtivo, o sistema previa uma tecnologia mista, que associava o selo e um código bidimensional. Após cinco meses de embate, a Anvisa, atendendo ao governo, recuou. O uso do sistema foi suspenso até que um grupo de trabalho determinasse o formato ideal.

Com mais de seis meses de atraso, a Anvisa apresentou ontem as novas diretrizes. O documento informa que apenas embalagens secundárias ( caixas onde estão os comprimidos e a bula) devem conter mecanismos de segurança. Embalagens múltiplas, como as usadas em hospitais, terão uma sistema próprio, a ser definido.

Apesar do atraso, farmacêuticas comemoraram o novo formato. "Ele é muito efetivo e infinitamente mais barato", disse o vice-presidente executivo do Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos de São Paulo, Nelson Mussolini. Ele diz que algumas empresas já dispõem da tecnologia.

A lei criando o rastreamento, de 2009, fixava prazo de três anos para que indústrias colocassem em prática o sistema. Para o presidente executivo da Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa, Antonio Britto, esse prazo deve ser reconsiderado.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.