Sérgio Castro/Estadão
Sérgio Castro/Estadão

Anvisa interdita parte da linha de produção da Bahiafarma

Ação foi adotada depois de inspeção, tem caráter preventivo e pode durar até 90 dias; testes indicaram possíveis desvios de qualidade em kits de diagnóstico da empresa para dengue, zika e chikungunya

Lígia Formenti, O Estado de S. Paulo

08 Fevereiro 2019 | 11h49

BRASÍLIA - A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) interditou nesta quinta-feira, 7, parte da produção do laboratório Bahiafarma. A ação foi adotada depois de inspeção na linha de produtos de saúde da empresa, tem caráter preventivo e pode durar até 90 dias.

Conforme o Estado publicou ontem, testes realizados pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS) indicaram possíveis desvios de qualidade em kits de diagnóstico da Bahiafarma para dengue, zika e chikungunya.

As análises  feitas pelo INCQS apontaram risco de exames da Bahiafarma acusarem resultado falso negativo. Quando isso ocorre, o teste não identifica a infecção e traz o resultado de que o paciente está sadio.  O risco é de a pessoa, doente, ser dispensada do tratamento e dos cuidados necessários em vez de iniciar imediatamente a terapia para reduzir os sintomas da infecção.

Os testes produzidos pela Bahiafarma foram adquiridos pelo Ministério da Saúde para distribuição em todos os Estados do País. A compra  foi de 6,5 milhões de testes, no valor aproximado R$ 162,5 milhões. Os lotes começaram a ser distribuídos no ano passado. 

Depois de reclamações de Minas, São Paulo, Rio, Acre e Goiás,  lotes do produto foram enviados para a análise. Com o resultado do INCQS, o ministério decidiu enviar para análises amostras de testes recolhidas em todos os Estados do País. Somente depois do resultado, a pasta vai definir a estratégia a ser usada. Há possibilidade de a pasta pedir ressarcimento do valor desembolsado.

Comparação

O presidente da Bahiafarma, Ronaldo Dias, em entrevista ao Estado afirmou que o resultado dos testes realizados pelo INCQS deveriam ser confrontados com uma contraprova feita a partir de análises de amostras de lotes armazenados pelo próprio laboratório. Ele argumenta que essa comparação é essencial.

“O armazenamento incorreto, o transporte em temperaturas inadequadas podem comprometer a qualidade do produto, além de erros na manipulação das amostras testadas”, observou. Esse exame complementar, disse, não foi feito.

Em uma nota publicada ontem, a  Bahiafarma disse estar confiante na qualidade de seus produtos ofertados ao Sistema Único de Saúde (SUS) ao tempo em que está procedendo com todas as análises e ritos previstos pela legislação visando a reafirmação da acurácia dos seus testes rápidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.