Anvisa lança controle eletrônico de remédios de tarja preta

Depois de quase quatro anos de estudo, o governo lança hoje um sistema informatizado para acompanhar a venda de produtos controlados e medicamentos de tarja preta, como os calmantes e moderadores de apetite. O controle desses remédios até hoje é feito manualmente. Fiscais dos municípios vão de farmácia em farmácia para checar os livros onde farmacêuticos anotam os registros de compra e venda dos produtos. Um processo demorado e sujeito a uma série de falhas. ?Em casos extremos, a informação da venda de um remédio pode demorar até nove meses para chegar à Anvisa?, afirma o diretor-presidente da agência, Dirceu Raposo. Ele participa hoje da cerimônia no Palácio do Planalto para lançar oficialmente o sistema, desenvolvido em parceria com a Secretaria Nacional Antidrogas. Com a nova forma de acompanhamento, os dados serão atualizados a cada sete dias. ?Essas informações sempre renovadas são um instrumento importante para a vigilância sanitária detectar qualquer tipo de venda que esteja fora do padrão?, completa Raposo. Como uma farmácia que vende um quantidade muito superior quando comparado com suas concorrentes instaladas nas redondezas. Além do sistema para acompanhar melhor a compra e venda de medicamentos, a Anvisa estuda a mudança da forma de venda de remédios para emagrecimento. Eles passariam a ter uma receita amarela, cujo controle é mais rígido. ?Talvez, com esse sistema novo, essa medida seja até mesmo dispensável?, afirma Raposo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Agencia Estado,

03 de abril de 2007 | 10h26

Tudo o que sabemos sobre:
notícia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.