Anvisa libera producão de anticoncepcionais genéricos

Remédios, que serão produzidos por duas empresas, poderão sofrer um desconto de até 35% no preço

05 de novembro de 2007 | 15h48

Os seis primeiros medicamentos anticoncepcionais genéricos receberam registro da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) nesta segunda-feira, 5. Os medicamentos autorizados, em pílulas, serão produzidos pelos laboratórios farmacêuticos Eurofarma e Organon, em dez apresentações comerciais, ou seja, com concentrações diferentes e em caixas que variam de 21 a 210 comprimidos.      Os seis anticoncepcionais genéricos autorizados pela agência deverão custar, no máximo, 65% do preço dos medicamentos de referência já disponíveis no mercado: microdiol, mercilon, gracial e cerazette. Os preços podem variar de um estado para outro conforme os índices de incidência de impostos, como o ICMS, diz nota da Anvisa.      Os laboratórios que irão produzir os anticoncepcionais genéricos tiveram de apresentar, à Anvisa, testes de bioequivalência e equivalência farmacêutica para obterem autorização de produção dos medicamentos.   Três dos quatro anticoncepcionais que terão versões genéricas estão entre os vinte mais comercializados no mercado varejista de medicamentos: cerazette, mercilon e microdiol.     No ano passado, quase 131 milhões de anticoncepcionais foram comercializados no País, movimentando um total aproximado de R$ 875 milhões.     O primeiro anticoncepcional genérico lançado no País foi o injetável, no fim de 2005, pela Eurofarma. Mas o mercado da pílula oral sempre foi mais cobiçado pela indústria farmacêutica, porque responde por uma fatia de 20,7% nas vendas.   Texto modificado às 16h48, com mais informações

Tudo o que sabemos sobre:
AnticoncepcionalAnvisaGenérico

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.