Divulgação
Divulgação

Anvisa proíbe venda de extrato de tomate encontrado com pelo de roedor

'Matéria estranha' foi detectada em lote L06 da marca Heinz; segundo a empresa, produto circulou apenas em Minas Gerais e já foi retirado de circulação

O Estado de S. Paulo

18 Julho 2016 | 12h49

SÃO PAULO - A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou nesta segunda-feira, 18, a retirada do mercado do lote L06 do extrato de tomate da marca Heinz após detecção de “matéria estranha indicativa de risco à saúde humana, pelo de roedor, acima do limite máximo de tolerância pela legislação vigente”.

Esse foi o resultado de uma análise de contraprova feita pela Fundação Ezequiel Dias (LACEN-MG) que levou a Anvisa a proibir a distribuição e comercialização deste lote específico em todo o País e recolhimento do estoque existente no mercado.

A Kraft Heinz Brasil, responsável pela marca, informou que já havia sido notificada do problema pela Gerência Colegiada da Superintendência de Vigilância Sanitária de Minas Gerais em julho do ano passado e que este lote estava circulando apenas naquele Estado. “Na ocasião a empresa recolheu as embalagens disponíveis no comércio do lote 06, validade 4/2017, de extrato de tomate da marca, não havendo qualquer contraindicação ao consumo dos lotes presentes nos mercados hoje”, disse por meio de nota.

A Heinz afirmou também “que adota rigoroso controle de qualidade em todas as etapas da produção, desde a escolha de fornecedores, processo produtivo e distribuição final dos seus produtos.”

Histórico. Não é a primeira vez que a empresa enfrenta esse tipo de problema. Em 2013, três lotes de ketchup, importados do México, também foram retirados de circulação pela Anvisa por apresentar fragmentos de pelo de roedor.

Mais conteúdo sobre:
AnvisaHeinzMinas Gerais

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.