REUTERS/Yuya Shino
REUTERS/Yuya Shino

Anvisa quer limitar gordura trans em alimentos; banimento é planejado em três anos

Órgão prevê mudança em etapas e abriu consulta pública sobre o assunto. Ácidos graxos trans podem contribuir para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares

Redação, O Estado de S.Paulo

23 de julho de 2019 | 20h34

SÃO PAULO - A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) abriu consulta pública para a proposta de adoção de um limite de gorduras trans em alimentos. A restrição seria iniciada pela implementação de um limite de 2% de AGTI (ácidos graxos trans industriais) sobre o teor total de gorduras nos alimentos destinados ao consumidor final, segundo informou o órgão. A medida, que também seria válida para os serviços de alimentação, teria um prazo de adequação de 18 meses.

A Anvisa diz que, com isso, "pretende propiciar um elevado nível de proteção à saúde da população, sem criar um impacto desproporcional sobre o setor". "A proposta decorre da análise de estudos científicos que demonstram que os ácidos graxos trans (AGTs) podem contribuir para o desenvolvimento de várias doenças, com evidências convincentes de que seu consumo acima de 1% do valor energético total afeta muitos fatores de risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares", informou em nota.

O órgão diz não haver dúvidas de que o consumo não traz nenhum benefício à saúde. "Por isso, o consumo de ácidos graxos trans industriais deve ser o mais baixo possível." A consulta ficará aberta por 60 dias. 

A Anvisa diz que, em uma segunda etapa, "o uso de óleos e gorduras parcialmente hidrogenados — um tipo de AGTI — em alimentos seria banido no Brasil." Esse banimento seria implementado, explica o órgão, em um prazo adicional de mais 18 meses, após o fim da primeira etapa de restrições.

Medidas complementares de rotulagem também estão previstas. A ação deverá ocorrer na lista de ingredientes dos produtos, "para  aprimorar a transmissão de informações sobre a presença de óleos e gorduras parcialmente hidrogenados", e também na tabela nutricional, "para informar sobre o teor de ácidos graxos trans em alimentos". 

As gorduras trans são populares entre fabricantes de alimentos fritos, assados e salgadinhos porque têm um prazo de validade longo, mas são ruins para os consumidores, aumentando o risco de doenças cardíacas em 21% e as mortes em 28%, informou a OMS em comunicado de maio do ano passado.  A Organização Mundial da Saúde (OMS) pede que a gordura trans seja eliminada até 2023.  

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.