Divulgação/Bharat Biotech
Divulgação/Bharat Biotech

Anvisa recebe pedido para importação da Covaxin, mas diz que faltam documentos para análise

O ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello havia incluído o imunizante indiano no cronograma de março

Mariana Hallal, O Estado de S.Paulo

24 de março de 2021 | 09h21

SÃO PAULO - A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou na noite desta terça-feira, 23, que recebeu do Ministério da Saúde uma solicitação de autorização para importar 20 milhões de doses da vacina Covaxin, fabricada na Índia. O imunizante indiano foi incluído pela pasta no cronograma de vacinas contra a covid-19 a serem entregues ao País em março.

A solicitação foi protocolada pelo ministério na segunda-feira. No entanto, de acordo com a Anvisa, faltam documentos requeridos pela Resolução da Diretoria Colegiada da Anvisa (RDC) nº 476/2021, que servirá de base para a análise do órgão. A pasta ainda precisa entregar o relatório técnico da avaliação da vacina emitido ou publicado pela autoridade sanitária indiana, certificados de liberação dos lotes a serem importados e o licenciamento de importação, além de "esclarecimentos pontuais".

Enquanto as informações não forem enviados à Anvisa, o prazo para análise ficará suspenso. 

O mais recente cronograma de entrega de vacinas, que foi divulgado pelo Ministério da Saúde nesta terça, prevê a importação de oito milhões de doses da Covaxin em março, mais oito milhões em abril e outras quatro milhões em maio, totalizando 20 milhões.

No início da março, a Bharat Biotech, fabricante da Covaxin, informou que o imunizante apresentou 81% de eficácia na prevenção da covid-19 em uma análise preliminar de um ensaio em fase 3 na Índia. "A Covaxin demonstra uma alta eficácia clínica contra a covid-19 e também apresenta imunogenicidade significativa contra as variantes que estão surgindo", disse Krishna Ella, presidente da empresa, em um comunicado 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.