Hannah A. Bullock, Azaibi Tamin/CDC via AP
Hannah A. Bullock, Azaibi Tamin/CDC via AP

Ao menos 17 casos de Deltacron, que combina Delta e Ômicron, foram identificados, dizem estudos

Infecções por versões híbridas do coronavírus foram relatadas nos Estados Unidos e na Europa

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de março de 2022 | 19h35

Versões híbridas do coronavírus que combinam genes das variantes Delta e Ômicron, apelidadas de "Deltacron", foram identificadas em ao menos 17 pacientes nos Estados Unidos e na Europa, apontaram pesquisadores.

Como houve poucos casos confirmados, é cedo para saber se a Deltacron é mais transmissível ou vai causar quadros mais severos da doença, conforme explicou Philippe Colson, do IHU Mediterranee Infection, instituto de microbiologia de doenças infecciosas de Marselha, na França.

Colson é o  principal autor de um relatório publicado na terça-feira, 8, na revista medRxiv, ainda sem revisão de pares. A equipe dele descreveu o estado de três pacientes franceses infectados com uma versão do SarS-CoV-2 que combina a proteína spike da variante Ômicron com o "corpo" da Delta. 

Outras duas infecções por Deltacron foram identificadas nos Estados Unidos, de acordo com relatório não publicado da empresa de pesquisa genética Helix, que foi submetido ao medRxiv e visto pela Reuters. 

Outras equipes relataram mais 12 infecções pela Deltacron na Europa desde janeiro - todas com spike da Ômicron e corpo da Delta.

Recombinações genéticas dos coronavírus acontecem quando duas variantes infectam uma mesma célula hospedeira. “Durante a pandemia, duas ou mais variantes co-circularam durante os mesmos períodos de tempo e nas mesmas áreas geográficas... Isso criou oportunidades de recombinação entre essas duas variantes”, disse Colson, acrescentando que sua equipe desenvolveu um teste do tipo PCR, padrão ouro, que “pode identificar rapidamente amostras positivas para a presença desse... vírus”./Com informações de Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.