SERGIO CASTRO/ESTADÃO
SERGIO CASTRO/ESTADÃO

Após 2 anos, dobra nº de profissionais que deixam Mais Médicos

Nos primeiros sete meses do ano, 337 médicos abandonaram o programa, média de 1,6 por dia; desde que foi lançado, em 2013, e em todo o ano passado, 361 profissionais desistiram, média de 0,75/ dia. Não houve aumento correspondente de contratados

José Maria Tomazela, SOROCABA

19 Setembro 2015 | 03h00

O programa Mais Médicos do governo federal completa dois anos de funcionamento efetivo na quarta-feira enfrentando um aumento no número de desistências. Nos primeiros sete meses do ano, 337 médicos abandonaram o programa, segundo o Ministério da Saúde, média de 1,6 por dia. Desde que o programa foi lançado, em 2013, e em todo o ano passado, 361 médicos deixaram o programa - média de 0,75 por dia.

Os números não incluem a saída de 76 médicos cubanos em todo o período, o que eleva o total de evasão para 774 profissionais. De acordo com o Ministério, os desistentes representam uma parcela pequena, ante 18,2 mil médicos que permanecem no programa, dos quais 11,4 mil cubanos. A maioria dos que saíram já teve as vagas ocupadas por outros profissionais convocados pelo governo.

O Ministério atribuiu o crescimento da deserção em 2015 à maior rotatividade entre os médicos brasileiros contratados pelo programa. Do total de desistentes neste ano, 335 são brasileiros, segundo a pasta. A aprovação na residência médica ou em concurso público está entre os principais motivos alegados para a saída. Ainda conforme o Ministério, os cubanos representam apenas 0,6% do número total de profissionais que deixaram o programa.

Estados Unidos. Na semana passada, um casal de médicos cubanos abandonou o serviço em Agudos, região central do Estado de São Paulo. Alejandro Gonzales e Amarilis Prieto Carballosa trabalhavam havia um ano no programa de saúde da família da cidade, e tinham até trazido uma filha de 12 anos para o Brasil. No dia 8 de setembro, após um feriado, eles não apareceram para trabalhar. Conhecidos do casal informaram que tinham viajado com a filha para os Estados Unidos.

De acordo com amigos de Alejandro, ele teria reclamado das condições no Brasil, já que o acordo com Cuba não permite a vinda de filhos dos profissionais. Ele também teria feito referência à retomada das relações diplomáticas entre seu país e os Estados Unidos, o que tornaria a América do Norte mais interessante para os cubanos. 

A prefeitura registrou um boletim de ocorrência na Polícia Civil e entrou em contato com a coordenação do programa em São Paulo. No município, há mais cinco profissionais do Mais Médicos, mas a prefeitura vai pedir a reposição dos desistentes. Os dois médicos eram considerados competentes e tinham agradado à população. O Ministério informou que, após receber a informação da prefeitura, os médicos serão notificados para retomar as atividades em 48 horas ou justificar a ausência, caso contrário, serão desligados. 

Reposição. O crescimento na desistência levou o governo brasileiro a realizar com mais frequência a reposição dos que saem. A primeira chamada para reposição, desde que o programa começou, foi feita em janeiro. Uma nova recolocação de médicos aconteceu em julho. A partir de agora, serão feitas reposições trimestrais - a próxima está marcada para outubro. 

No caso dos brasileiros ou intercambistas individuais, a reposição é feita por meio de convocação por edital. Já as vagas dos cubanos são repostas por meio do convênio com a Organização Pan-americana de Saúde (Opas). Nesse caso, basta o Ministério notificar a Opas para que seja enviado outro cubano para o lugar do desistente. 

A saída de cubanos é mais rara: em Sorocaba, por exemplo, entre os 36 médicos de Cuba que se apresentaram à prefeitura, não houve uma desistência sequer. A cidade tem outros dois médicos, um brasileiro e um italiano, que também permaneceram no programa.

Mais conteúdo sobre:
Mais MédicosSUS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.