Após 5 anos, paciente consegue tratamento para hepatite C

Há um mês e meio o torneiro mecânico Wagner Vasili Ahwener, de 43 anos, reiniciou seu tratamento para hepatite C. Ele havia interrompido a terapia em 2001, após um ano de uso, sem sucesso, do medicamento interferon alfa, fornecido pelo SUS. Nesses cinco anos em que não recebeu o medicamento, a saúde de Ahwener piorou. Apesar de não apresentar sintomas, a hepatite C causou o aparecimento de "varizes" em seu esôfago, o que pode causar hemorragias . "Tenho certeza de que, se não tivesse interrompido o tratamento, isso não aconteceria", diz. Ahwener tem renda mensal de pouco mais de R$ 1 mil e diz que "jamais poderia pagar" os R$ 1.300 por ampola do remédio que utiliza uma vez por semana. Ele só conseguiu reiniciar o tratamento após a Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo incluir no protocolo de liberação do medicamento os doentes já tratados. O Ministério da Saúde não prevê o tratamento desses pacientes. "Já está comprovada a eficácia de se tratar o doente pela segunda vez", diz o presidente da Sociedade Brasileira de Hepatologia, João Galizzi Filho. "O governo está atrasado nessa questão."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.