WILTON JUNIOR / ESTADÃO
WILTON JUNIOR / ESTADÃO

Estados começam a vacinar após atraso na distribuição das doses pelo governo federal

Rio e Santa Catarina já estão aplicando o imunizante nesta segunda-feira após problemas logísticos. Rio Grande do Sul planeja começar campanha nesta noite. Vacina chega a dez unidades federativas

Mateus Vargas, Marcio Dolzan, Lucas Rivas e Fábio Bispo, O Estado de S.Paulo

18 de janeiro de 2021 | 19h28
Atualizado 18 de janeiro de 2021 | 21h31

Ao menos mais dois Estados iniciaram nesta segunda-feira, 18 a vacinação contra a covid-19 após o governo federal enfrentar problemas logísticos para distribuir as doses de acordo com a programação inicial. Depois do pontapé de São Paulo neste domingo, 17, Rio e Santa Catarina também já estão aplicando o imunizante. Além desse locais, ao menos oito Estados receberam as doses: Minas, Tocantins, Piauí, Ceará, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Goiás e Distrito Federal. Outros, como o Amazonas e o Rio Grande do Sul, tinham a expectativa de que a vacina chegasse ainda na noite desta segunda-feira.

A ideia era que as doses chegassem ainda nesta segunda-feira a todos os Estados, mas auxiliares do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, avisaram secretários locais de saúde à tarde que houve entraves nos embarques. Pressionado após a primeira foto de alguém sendo vacinado no País ter sido feita em São Paulo, com o governador João Doria (PSDB) no retrato, Pazuello, liberou nesta segunda-feira as doses para serem aplicadas. 

Apesar de afirmar que não faz "marketing", ao criticar Doria, o general recebeu governadores em Guarulhos (SP), mais cedo, para uma cerimônia que simbolizava a entrega das doses, mas ganhou tom de defesa do ministro. Horas após o evento, porém, um dos auxiliares de Pazuello escreveu a secretários locais que as entregas poderiam atrasar, o que frustrou os planos de vacinação imediata. 

“Senhores, houve atraso e problemas no embarque das cargas. Algumas capitais não receberam conforme previsto. Estou aguardando nova informação do DLOG (Departamento de Logística) e Coordenação da Vacinação”, diz a mensagem obtida pelo Estadão.

Segundo um secretário estadual, houve “desencontro de informações” vindas do ministério. Uma planilha entregue pelo ministério no domingo passado, com horário de entregas pela Força Aérea Brasileira (FAB) e por meio de companhias aéreas, não foi cumprida. As doses devem chegar a mais capitais ao longo do dia de hoje.

Primeira dose no Rio foi aplicada aos pés do Cristo Redentor

No Rio, a moradora do abrigo Cristo Redentor Terezinha da Conceição, de 80 anos, foi a primeira idosa vacinada no Rio. Ela recebeu uma dose do imunizante contra o vírus da covid-19 por volta das 18h20 desta segunda-feira, junto ao Cristo Redentor. Terezinha foi vacinada segundos depois da técnica de enfermagem Dulcineia da Silva Lopes, que se tornou assim a primeira carioca imunizada.

Terezinha, que estava em vulnerabilidade social e foi acolhida ao abrigo em 2015 após sua residência ter sido demolida pela Defesa Civil, recebeu a vacina de Adélia Maria dos Santos, que é servidora pública municipal da Saúde desde 1979 e foi uma das fundadoras do Programa de Imunização da cidade.

A técnica de enfermagem Dulcineia da Silva Lopes também recebeu uma dose da vacina em frente ao monumento. Ela, que tem 59 anos, atua desde o início da pandemia na linha de frente no Hospital Ronaldo Gazolla, que é referência no combate à covid-19 no Rio.

Apesar de todo o simbolismo de se aplicar a primeira vacina do Rio junto ao Cristo Redentor, os alertas das autoridades públicas de que as medidas de distanciamento social devem continuar não foram seguidos. Dezenas de jornalistas e convidados acabaram se aglomerando no local. E não houve verificação da temperatura.

A cerimônia no alto do Morro do Corcovado só foi possível após um esforço de logística do governo do Estado, após o plano de transporte inicial ter falhado. Ao todo, dez caixas de imunizantes já estão no Rio. Todas as 487,5 mil doses previstas para o Estado devem chegar até o meio-dia de hoje. A previsão é de que os 92 municípios comecem a vacinação amanhã, segundo informou o governador em exercício, Cláudio Castro (PSC).

Santa Catarina espera aplicar 144 mil doses

Santa Catarina iniciou nesta segunda-feira a distribuição das 144 mil doses da vacina recebidas do Instituto Butantã por meio do governo federal. Em ato simbólico realizado no Instituto de Cardiologia, no fim da tarde, a Secretaria de Saúde do Estado iniciou a vacinação com três representantes dos grupos prioritários: um enfermeiro, um idoso, e uma mulher indígena.

O Estado esperava receber pelo menos 210 mil doses da vacina do Butantã, mas o quantitativo enviado veio abaixo do esperado. Com isso, o governo catarinense deve refazer os cálculos de distribuição das doses entre os 295 municípios, que atenderá critérios técnicos da Secretaria de Saúde levando em consideração os grupos prioritários e proporcionalidade dos habitantes. Os quantitativos devem ser divulgados ainda na noite desta segunda, quando já deve ser iniciada a distribuição.

Ao receber a primeira dose da vacina, a cacique Kerexu (Eunice Antunes) disse que a “sensação é de liberdade”, afirmou. “Passamos um ano inteiro, que pareceu uma eternidade, presos”, disse logo após receber a dose. Além de Kerexu Yxapyry, o enfermeiro Júlio César Vasconcellos de Azevedo, de 55 anos, e João de Jesus Cardoso, de 81 anos, também foram imunizados nesta segunda-feira.

“Importante entendermos que isso é só o início. Provavelmente passaremos o ano inteiro envolvidos na vacinação contra a covid-19. Então, manter as regras sanitárias é fundamental. O vírus continua entre nós”, afirmou o secretário da Saúde, André Motta Ribeiro.

Motta informou que Santa Catarina tem agulhas e seringas suficientes para as primeiras etapas da imunização, “mas é preciso aguardar a chegada de novas doses por parte do Ministério da Saúde”, afirmou

Rio Grande do Sul começará vacinação na noite desta segunda-feira

Em função de um problema logístico no Ministério da Saúde, o primeiro lote de vacinas da Coronavac chegará em solo gaúcho apenas na noite desta segunda-feira, 18. Inicialmente, o governo federal informou que as 341,8 mil doses do RS viriam por via terrestre. No início da tarde, porém, o Executivo gaúcho recebeu a confirmação de que as primeiras vacinas chegarão em voo fretado da Azul, somente às 20h25min.

O governador Eduardo Leite (PSDB) assegurou que a primeira dose será aplicada ainda nesta noite em um ato simbólico no Hospital de Clínicas de Porto Alegre, às 21h30min, com transmissão ao vivo pelas redes sociais. Por causa da pandemia, a imprensa não estará presente. Uma técnica de enfermagem será a primeira pessoa a ser vacinada em solo gaúcho. A identidade da profissional ainda não foi revelada.

O Rio Grande do Sul receberá 341,8 mil doses da CoronaVac, vacina do Instituto Butantã produzida em parceria com o laboratório Sinovac, e iniciará imediatamente a distribuição para todas as 18 Coordenadorias Regionais de Saúde, que encaminhará os imunizantes às prefeituras. Dessa forma, na terça-feira, todos os 497 municípios já poderão começar a vacinação. Nesta primeira fase, serão vacinados inicialmente os profissionais da saúde que estão na “linha de frente” contra covid-19, além de idosos que vivem em instituições de longa permanência e indígenas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.