Edmar Barros/AP Photo
Edmar Barros/AP Photo

Após críticas, vacinação em Manaus é suspensa por um dia para reformulação

Capital do Amazonas vai priorizar imunização de profissionais de saúde que tenham contato direto com pacientes de covid-19; parte dos municípios do interior precisará devolver doses

Liege Albuquerque, especial para o Estadão

21 de janeiro de 2021 | 10h32

MANAUS - A vacinação contra covid-19 para os profissionais de saúde foi suspensa em Manaus por um dia nesta quinta-feira, 21, para reformulação da campanha. Há municípios do interior do Amazonas que terão de devolver doses do imunizante, enviadas erroneamente pelo Estado.

Mesmo com a suspensão, os funcionários do Samu devem ser vacinados ainda nesta quinta-feira. Segundo a assessoria da Secretaria de Estado da Saúde (Susam), a quantidade de doses da vacina contra o coronavírus disponibilizada pelo Ministério da Saúde nessa primeira fase corresponde a 34% do total de profissionais de saúde do Estado. O Amazonas enfrenta uma grave crise sanitária, com aumento de casos e internações por covid-19 e falta de oxigênio para pacientes hospitalares há pelo menos uma semana.

Para conter a polêmica de quarta-feira, 20, quando um filho de um deputado e as gêmeas de um empresário local recém-formados em medicina postaram fotos sendo vacinadas em rede social, a orientação agora é de que a prioridade na vacinação deva ser dada aos profissionais das unidades de referência, de média e alta complexidade, que tenham contato direto com pacientes com covid-19, levando em conta fatores como comorbidades e idade.  

O Amazonas recebeu 282.320 doses da vacina na segunda-feira, 18. Desse total, segundo a Susam, 25.440 foram levados pela Força Aérea Brasileira (FAB) diretamente para Tabatinga ainda na segunda-feira, em função de um acordo do Ministério da Saúde por causa da localização na tríplice fronteira. O quantitativo enviado está acima do que era previsto, de 21.783 doses, e, portanto, o município terá de devolver a diferença (3.657 doses). Ainda segundo a assessoria do governo, os lotes entregues pelo Ministério da Saúde são destinados para aplicação de duas doses, garantindo a imunização do público-alvo.  

Quatro municípios (Alvarães, com 2.171 doses, Codajás, com 198, Nova Olinda do Norte, com 820, e Uarini, 885) vão receber a primeira dose até esta quinta-feira, conforme o Plano Operacional da Campanha de Vacinação contra a Covid-19, assim como Silves, que vai receber mais 296 doses, completando a remessa equivalente à primeira dose, que foi menos que o necessário. Segundo a Susam, do total de 58 dos 62 município abastecidos, 33 receberam somente a primeira dose por não possuírem estrutura adequada para acondicionamento das vacinas. 

Após o cálculo de todos os grupos, de acordo com critérios do Ministério da Saúde e cruzamento com os dados do Amazonas, houve uma sobra de 8.345 doses, que serão redistribuídas. Em nota, a Susam assume que a Fundação de Vigilância em Saúde (FVS), subordinado à secretaria e responsável pela divisão das vacinas, “errou ao informar, na última terça-feira, 19, que as doses armazenadas nos contêineres na fundação correspondiam somente à segunda dose da vacina para capital e região metropolitana. Na verdade, as doses armazenadas correspondem à reserva técnica de modo geral e às segundas doses dos municípios que não têm estrutura para receber as duas doses de uma vez só”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.