DIDA SAMPAIO/ESTADAO
DIDA SAMPAIO/ESTADAO

Após falar em 'mimimi', Bolsonaro diz que 'vírus do pavor' foi inoculado na população

As menções negativas a Bolsonaro no Twitter, depois que ele tratou com desdém a forma como a crise sanitária vem sendo encarada pela população, chegaram a 71%, segundo levantamento feito pela empresa AP Exata

Emilly Behnke, Nicholas Shores e Daniel Galvão, O Estado de S.Paulo

04 de março de 2021 | 22h35

BRASÍLIA E SÃO PAULO - Horas após dizer que “chega de frescura e de mimimi” com a pandemia de covid-19, o presidente Jair Bolsonaro afirmou, em transmissão ao vivo nas redes sociais, que lamenta “qualquer morte”. Logo em seguida, porém, emendou: “Agora, parece que só morre gente de covid no Brasil. O vírus do pavor foi inoculado nessas pessoas”.

As menções negativas a Bolsonaro no Twitter, depois que ele tratou com desdém a forma como a crise sanitária vem sendo encarada pela população, chegaram a 71%, segundo levantamento feito pela empresa AP Exata, que monitora a imagem do presidente nas redes sociais. Além disso, o índice de confiança no chefe do Executivo despencou, atingindo 11,1%.  

"Agora vêm essas narrativas de que somos negacionistas, não acreditamos em vacinas, aquela história toda para boi dormir, como fizeram na minha campanha em 2018, dizendo que eu era racista, que eu era misógino”, afirmou Bolsonaro. “E nada daquilo o povo acreditou e nós vencemos as eleições. Agora fica com história de negacionistas, terraplanista. Só um idiota hoje para acusar alguém no Brasil de terraplanista. Mas idiota é o que não falta, em especial na esquerda no Brasil."

Antes, ao se dirigir a produtores rurais na cidade goiana de São Simão, Bolsonaro havia elogiado os homens do campo que, na sua avaliação, “não se acovardaram”. O encontro provocou aglomeração. A maioria dos presentes não usava máscara. “Nós temos de enfrentar os nossos problemas. Chega de frescura e de mimimi. Vão ficar chorando até quando?”, perguntou o presidente. “Respeitar, obviamente, os mais idosos, aqueles que têm doenças, comorbidades. Mas onde vai parar o Brasil se nós pararmos?”

As declarações de Bolsonaro foram feitas no dia em que o Brasil registrou 1.786 mortes em 24 horas por covid-19. Trata-se do pior momento da pandemia no País, que já ultrapassa a marca de 260 mil vidas perdidas desde o início da disseminação da doença, há um ano.

Ao lado de Bolsonaro na live, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, disse que sua pasta optou por manter obras ativas durante a crise. O presidente, então, retomou a narrativa já repisada em transmissões anteriores, pedindo  que o País “tocasse a vida”.

Quando voltou para o Palácio da Alvorada, no fim do dia, Bolsonaro se aproximou dos apoiadores que o aguardavam com um sorriso. “Aprenderam a definição de trabalho essencial? Já chegou aqui ou não?”, indagou. O chefe do Executivo se referia a um post publicado por ele mais cedo, nas redes sociais, no qual dizia que “atividade essencial é toda aquela necessária para um chefe de família levar o pão para dentro de casa”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.