Após mortes, diretor da Santa Casa do Pará deixa o cargo

Ministério Público investiga a morte 20 bebês em uma semana na maternidade do hospital

Agência Brasil

29 de junho de 2008 | 13h59

O presidente da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, Antônio Ancelmo Bentes de Oliveira, deixou o cargo após a morte de 20 bebês na maternidade do hospital em uma semana. Oliveira e toda a atual diretoria da Santa Casa entregaram o cargo à governadora do Estado, Ana Júlia Carepa. A informação foi confirmada neste domingo, 30, pela assessoria de comunicação do governo.   Veja Também: Sobe para 20 o número de bebês mortos na Santa Casa do Pará   A gestão da Santa Casa será assumida provisoriamente pela coordenadora da Câmara Técnica de Políticas Sociais do governo do Estado, Silva Comaru, que coordena a comissão multiprofissional, composta por cinco médicos e três engenheiros. Desde sábado, a missão realiza levantamento sobre as condições físicas e operacionais do hospital.     O grupo tem prazo até terça-feira, 1, para entregar relatório completo sobre a estrutura física, o corpo funcional e o funcionamento da Santa Casa, a pedido da secretária de Saúde, Laura Rosseti.     Uma equipe de técnicos do Ministério da Saúde deverá chegar a Belém nesta segunda, 30, para inspecionar também as instalações da instituição, de acordo com a assessoria do governo.   O Ministério Público do estado deu prazo até segunda-feira para que a Santa Casa apresente laudo com as causas de cada um dos óbitos.   A secretária estadual de Saúde, Laura Rosseti, confirmou na manhã de sábado que mais oito crianças haviam morrido entre a segunda e a sexta-feira desta semana. No final da semana passada, doze bebês já tinham morrido na UTI neonatal, provocando a investigação dos Ministérios Públicos Estadual e Federal para apurar os fatos.   Segundo a secretária, a vigilância descarta a hipótese de que alguma das mortes tenha sido provocada por infecção hospitalar, mas alguns "indicativos" já foram levantados e estão sendo analisados para uma posterior confirmação. Indagada a respeito da falta de médicos, Laura afirmou que faltam na Santa Casa 70 profissionais especializados, principalmente médicos neonatais e que serão contratados novos leitos, fora do hospital, para assegurar uma melhor assistência às pacientes.

Tudo o que sabemos sobre:
santa casabebês mortos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.