AFP PHOTO / JOHN WESSELS
AFP PHOTO / JOHN WESSELS

Após novos casos de Ebola, OMS diz que se prepara para o ‘pior’

Organização Mundial de Saúde alertou que o risco de propagação do vírus na República Democrática do Congo é elevado

O Estado de S.Paulo

11 Maio 2018 | 06h59
Atualizado 11 Maio 2018 | 08h44

GENEBRA - A Organização Mundial de Saúde (OMS) indicou nesta sexta-feira, 11, que o risco de propagação do vírus Ebola na República Democrática do Congo (RDC) é elevado, e alertou que está se preparando para o “pior”.

+ Nova epidemia de Ebola mata 17 na República Democrática do Congo

+ Brasileira vai liderar estratégia da OMS para acesso a remédios

“Estamos muito preocupados e nos preparando para o pior dos cenários”, disse o diretor do programa de gestão de situações de emergência da OMS, Peter Salama, em uma entrevista coletiva em Genebra.

+ OMS eleva para 29 o nº de casos de Ebola na República Democrática do Congo

+ The Economist: Mapeando vírus desconhecidos

A OMS já registrou 32 casos de Ebola, incluindo 18 mortes, na República Democrática do Congo entre os dias 4 de abril e 9 de maio de 2018, na região de Bikoro, ao nordeste de Kinshasa, na fronteira com Congo-Brazzaville. 

Relembre: O fantasma do Ebola

Três dos 32 casos (dois confirmados, 18 prováveis e 12 suspeitos) afetam funcionários da área de saúde, de acordo com Salama, situação que preocupa especialmente a OMS porque eles podem se tornar um fator "amplificador" da epidemia.

No fim de semana, o diretor também anunciou o início de uma ponte aérea com helicópteros para transportar material sanitário a esta região, que tem pouca infraestrutura. A OMS espera a autorização do governo da RDC para começar a distribuir uma vacina experimental contra o Ebola.

Embora a doença ainda pareça, no momento, limitada geograficamente, existe "um risco elevado a nível nacional", afirma um boletim da organização, que enviou vários epidemiologistas à região. Oito países vizinhos da RDC permanecem em estado de alerta, segundo a OMS. / AFP

Relembre: OMS anuncia vacina 100% eficaz contra ebola

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.