Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Após OMS declarar pandemia, ministro da Educação cogita antecipar férias escolares

Em vídeo publicado no Twitter, Abraham Weintraub disse que as instituições devem se preparar para medidas emergenciais pontuais e que cenário de contingência é a melhor solução

Renata Okumura, O Estado de S.Paulo

11 de março de 2020 | 16h42

SÃO PAULO - Após a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarar pandemia do novo coronavírus, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, disse que as instituições de ensino precisam se planejar para algumas medidas emergenciais pontuais.

Segundo ele, neste momento, no Brasil, a prevenção é o mais importante. "Não há razão alguma para pânico, mas orientamos que as instituições de ensino se planejem para a possibilidade, ainda que futura, de algumas medidas emergenciais pontuais."

Em vídeo publicado no Twitter, nesta tarde de quarta-feira, 11, Weintraub cogitou a possibilidade de antecipar as férias escolares. Diante do cenário, as faculdades e institutos também são aconselhadas a organizar trabalho remoto dos seus funcionários. "(Vamos) deixar muito com os gestores a flexibilidade de adaptar e mandar sugestões (ao ministério), como mudar as férias. Pensem em um cenário de contingência. Esta é a melhor solução." 

"Por parte do Ministério da Saúde, nós já estamos nos preparando, sempre orientados pelo Ministério da Saúde, para que caso venha acontecer qualquer coisa, os danos sejam os menores possíveis. Uma cidade ou região que precise ter atenção mais especial para que tenhamos pronto um plano de aulas remotas", disse.

Ele destaca que as instituições também devem minimizar aglomerações e a realização de reuniões, simpósios e seminários.

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

"Por enquanto são poucos casos (no Brasil). E eu confio 100% no ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e no presidente Jair Bolsonaro para conduzir o Brasil por esta crise", afirmou o ministro. 

No dia anterior, na terça-feira, 10, o ministro da Educação zombou da possibilidade da presidente da ONG Todos Pela Educação, Priscila Cruz, estar com a doença, também pelo Twitter.

Ele havia criticado a especialista em outras mensagens que falavam do evento. Priscila tem feito críticas a Weintraub e aos problemas na atual gestão. “A despeito de um MEC inoperante, a educação não ficou parada”, disse ela, na abertura do evento nesta segunda-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.