Após os 50, importa mais ser ativo que ser magro, diz estudo

Pesquisa sugere que pessoas que evitam o sedentarismo têm mais mobilidade física na idade avançada

BBC Brasil, BBC

10 de dezembro de 2007 | 17h30

Uma pesquisa conduzida por pesquisadores britânicos sugere que ser fisicamente ativo depois dos 50 anos de idade é mais importante para "manter a mobilidade corporal" do que ser magro. A equipe de cientistas da Peninsula Medical School reconhece que ser obeso ou estar acima do peso na meia-idade pode prejudicar a mobilidade física. Mas os pesquisadores observam que, independentemente da massa corporal, pessoas que realizam trabalhos domésticos ou praticam esportes têm mais chances de manter a capacidade de locomoção e mobilidade na idade avançada. O estudo, publicado na revista científica Journal of the American Geriatrics Society, acompanhou durante seis anos a rotina de 10.209 participantes entre 50 e 69 anos nos Estados Unidos e na Grã-Bretanha. Os pesquisadores observaram que, entre os que realizavam algum tipo de atividade física três ou mais vezes por semana, apenas 13% desenvolveram problemas de mobilidade física. Em contrapartida, entre os sedentários, 24% apresentaram dificuldades para se movimentar. No testes, os especialistas observaram que as pessoas que eram ativas tinham mais facilidade para fazer longas caminhadas, subir e descer escadas, manter o equilíbrio e se levantar sem a ajuda dos braços. O líder da pesquisa, Iain Lang, disse que os resultados foram muito semelhantes entre os voluntários americanos e britânicos, o que sugere que os benefícios das atividades físicas na idade avançada são "universais". "Fazer exercícios na meia-idade não só ajuda quem quer perder peso, como também auxilia na manutenção da mobilidade física", afirmou Lang. "E mais importante que isso, entre os que não conseguem diminuir o peso, ainda assim ganharam mais mobilidade física."   BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.