Após pressão, projeto para listar portadores de HIV é retirado

Texto, apresentado pelo deputado estadual Jorge Babu no Rio, gerou mobilização entre ONGs sobre o tema

Giuliana Vallone, do estadao.com.br,

12 Maio 2009 | 09h42

O deputado estadual Jorge Babu (sem partido-RJ) retirou da pauta da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro na última quinta-feira, 7, o projeto de lei 2.204/2009, que obrigaria a Secretaria de Saúde do Rio de Janeiro a publicar em seu site uma lista com os nomes e CPFs de todos os portadores do vírus HIV no Estado. O texto gerou grande mobilização entre as ONGs que tratam do tema no Estado e, pressionado, Babu voltou atrás.

 

Veja também:

forum Opine: você concorda com o projeto do deputado Jorge Babu?

 

Segundo o chefe de gabinete do deputado, Babu decidiu retirar o texto da pauta para pensar melhor o projeto, e discuti-lo com as bases e os órgãos da matéria. Ele afirmou que não há razão para a preocupação dos movimentos sociais com relação a uma discriminação dos pacientes. De acordo com as informações, o deputado já marcou um encontro para discutir o projeto com as organizações e adequá-lo aos interesses dos soropositivos.

 

O projeto, apresentado em abril, trata da criação de um banco de dados público sobre os portadores de HIV no Estado, além de estabelecer um documento de identificação para os pacientes. Segundo o texto, esses pacientes teriam prioridade no atendimento emergencial hospitalar da rede pública.

 

O deputado apresentou como justificativa a proteção da saúde da equipe médica e do próprio paciente. "Do bombeiro dos primeiros socorros ao médico plantonista que o recebe, todos esses profissionais envolvidos no atendimento possuem o direito, constitucional, de saber estar tratando de um cidadão soropositivo, que por essa mesma condição, exige cuidados especiais", diz o documento.

 

A publicação do projeto levou várias ONGs que cuidam da questão a se manifestarem publicamente, gerando inclusive um abaixo assinado contra sua votação. Na quinta-feira, então, Jorge Babu decidiu retirar o texto da pauta. "Espero que ele tenha reconhecido o equívoco de propor um projeto desse", disse Cristina Pimenta, coordenadora-geral da Associação Brasileira Interdisciplinar de Aids (Abia).

 

Para Cristina, o projeto é absurdo e fere vários princípios relacionados aos Direitos Humanos dos pacientes. "(O texto) fere a confidencialidade do paciente, não tem cabimento", disse. "A justificativa de proteger o profissional de saúde não tem fundamento, pois os profissionais da saúde passam por um treinamento de biossegurança, eles sabem quais são as normas, independente da infecção."

 

Ela ressaltou, porém, que o ocorrido mostra a importância da mobilização como forma de controle social no País. "O movimento de aids é muito organizado, monitora as políticas públicas e vem contribuindo para uma melhor qualidade da sociedade como todo", afirmou. "É possível influenciar os políticos, os gestores, para que eles estejam atentos para, pelo menos, cometer menos erros."

Mais conteúdo sobre:
aids Rio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.