Aposentada usa esse tipo de convênio desde 1992

Por R$ 50 no trimestre, ela tem desconto em consultas; para usuário, é melhor pagar funerária do que ir para o SUS

José Maria Tomazela, Tatiana Fávaro e Karina Toledo,

10 de novembro de 2011 | 22h30

A aposentada Neusa Máximo de Oliveira, de 72 anos, usa o cartão da funerária Ossel para pagar consultas médicas desde 1992. Ela conta que, quando perdeu o marido, a família arcou com o alto custo de sepultamento. “Minha filha decidiu fazer um plano funerário e o desconto nas consultas médicas veio junto.”

Neusa paga R$ 50 a cada três meses e usa o cartão para ir ao médico. “Acabo de usar na oftalmologista, uma médica muito boa. Paguei R$ 75 por uma consulta que custaria R$ 150.”

 

Quem também aderiu ao plano funerário foi o representante comercial João de Andrade, de 47 anos. Ele paga à funerária Bracalente, em Campinas, R$ 29 por mês por um plano familiar que dá cobertura a ele próprio, à mulher, às duas filhas, aos seus pais e sogros. “Minha família tem plano, mas meus pais e meus sogros não. Então, compensa pagar o plano funerário”, disse.

Andrade conta que, quando eles precisam de médico, marcam consulta particular com um profissional indicado pelo plano e o preço cai de R$ 200 a R$ 250 para algo entre R$ 45 e R$ 55. “Prefiro pagar a funerária e um valor menor pela consulta a ter de enfrentar o SUS”, diz.

“Se esse plano for fechado, ficarei em uma situação delicada. Plano para idoso é uma fortuna e consulta particular, muito cara.” 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.