Aposentado espera 5 dias por cirurgia com o fêmur quebrado

Cinco dias com o fêmur quebrado à espera de uma cirurgia ortopédica. Este foi o presente nada agradável que Waldemar Pires recebeu ao completar 76 anos. Internado desde o último domingo em um dos mais tradicionais hospitais públicos da cidade de São Paulo, o Hospital São Paulo, ele passou 24 horas em uma maca no corredor da unidade para conseguir vaga na enfermaria. E o aposentado só entrou no centro cirúrgico às 20h de ontem. Doente de Parkinson, Pires chegou ao hospital com fortes dores na perna, após cair da escada da sua casa, na Vila Mariana, na zona sul. A neta Maria Fernanda Pires, 26 anos, e o namorado Matusalém Rodrigues, 25, procuraram atendimento no pronto-socorro. "Assim que chegamos, os médicos disseram que a cirurgia era necessária, mas não havia vaga. Aí, o deixaram no corredor mesmo", conta o estudante de publicidade. "E o pior é que foi aniversário do meu avô na quarta. Ele disse que só queria sair do hospital", completou a neta de Pires. Das 21h de domingo até as 20h de segunda, o aposentado recebeu os cuidados médicos em um leito improvisado no corredor, onde estavam, segundo Matusalém, outros seis pacientes. "Fiquei indignado e resolvi fotografar. Estava com a câmera na mochila por causa de um trabalho da faculdade", afirma. O aposentado foi transferido para a enfermaria, com a promessa da operação no mesmo dia. "Foi então que começaram as desculpas. A primeira é que não tinha vaga. Depois disseram que outros casos eram mais urgentes. A última é que ele tinha bebido água e, por não estar em jejum, a cirurgia seria adiada", disse Matusalém. "Hoje (ontem) já é quinta-feira e ele continua sem cirurgia", disse, antes de Pires ser levado para o centro cirúrgico. A Unifesp, que administra o Hospital São Paulo, informou que "a demora para a cirurgia de reparação de fratura de fêmur se deu por motivo de grande demanda, atendida pelo pronto-socorro". A diretoria do hospital afirmou que Pires estava preparado para operação já ontem à tarde. Segundo a família, ele entrou na sala de cirurgia às 20h e a duração seria de quatro horas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.